Jovens procuram experiência profissional através do voluntariado no estrangeiro

Há cada vez mais jovens portugueses a encarar o voluntariado em países estrangeiros como uma nova experiência de trabalho que lhes permite o acesso a outras culturas.
créditos: PAULO CUNHA / LUSA

Esta ideia foi partilhada, em declarações à agência Lusa, por Matthew Pacheco, de 19 anos, que partiu para Chengdu, na China, com o apoio da associação estudantil AIESEC, por Amélia Pinto Basto e Cátia Sousa, ambas de 23 anos, que partiram para a Roménia e Polónia, respetivamente, através do Serviço Voluntário Europeu.

Cátia afirmou que foram vários os fatores que a levaram a optar por esta experiência, mas o que completou o “leque de incentivos” foi a oportunidade de poder conhecer outras culturas e viver num país estrangeiro.

Amélia admitiu ser "louca por viagens", assumindo que esse foi "o primeiro e mais motivador" elemento que a levou a tomar a decisão de partir para a Roménia.

Segundo os jovens voluntários, a atividade permite grandes benefícios para as comunidades locais, mas também para o próprio voluntário, que, além de explorar novas culturas, consegue adquirir novas capacidades ou aprender novas línguas.

“A nível pessoal, sinto-me com uma capacidade enorme de ‘public speaking’, autonomia e, principalmente, muito mais paciente, sabendo ouvir e observar antes de agir”, afirmou Matthew.

O Serviço Voluntário Europeu contabilizou já 145 voluntários, em 2015, uma estabilização dos números que dispararam em 2013 (170 voluntários, contra 97 do ano anterior). A associação estudantil AIESEC contou com 250 estudantes no estrangeiro no ano de 2014.

Comentários