Cinco escolas encerradas. Greve nas cantinas com adesão superior a 70%

A greve dos trabalhadores das cantinas de serviços de Estado por melhores salários teve uma adesão superior aos 70%, encerrando mais de 100 refeitórios escolares, que levaram ao fecho de cinco escolas, anunciou hoje o sindicato.

“A greve teve uma grande adesão a nível do mercado escolar e a nível do setor hospitalar, mas também houve muitos centros de formação e algumas fábricas encerrados”, disse à agência Lusa o sindicalista Francisco Figueiredo, no final de uma reunião da Federação dos Sindicatos da Administração Pública e das Entidades com fins públicos (FESAP) para analisar os efeitos da paralisação.

Hoje foi feito o levantamento de 200 cantinas e “verificámos que mais de 100 cantinas escolares estiveram encerradas, das quais cinco escolas não deram aulas”, disse o dirigente sindical. “Entre aquelas [cantinas] que tiveram menos adesão, aquelas dezenas de hospitais que tiveram adesão de 100%, onde foram apenas garantidos os serviços mínimos, e estas 100 cantinas escolares que estiveram encerradas, a greve ultrapassou, em termos médios, os 70% de adesão”, frisou.

Na reunião dos sindicatos ficou decidido fazer um pedido de reunião como caráter urgente ao Ministério da Educação devido a “situações inaceitáveis” que ocorreram nas escolas.

Para o dirigente sindical, as escolas que tiveram sem funcionários na cantina deviam ter encerrado. “Verificámos que em grande parte destas escolas [95] as crianças ficaram sem alimentação”, tendo sido em muitos casos pedido aos pais que levassem comida. Noutras situações foram servidas sandes aos alunos e um sumo.

Os sindicatos pretendem dizer ao ministro da Educação que “não é aceitável que os conselhos escolares tenham” feito “uma grande pressão sobre as cozinheiras”, que têm contratos precários, “para não aderirem à greve, implorando-lhes para verem a greve com o coração, que eram crianças que iam ficar sem comer”, disse Francisco Figueiredo. Por outro lado, sublinhou, também são inaceitáveis situações em que “os conselhos escolares puseram funcionários da câmara a substituir os trabalhadores das cantinas”.

Estes são os almoços nas escolas de todo o mundo

Comentários