Estudo identifica gene associado a uma forma comum de epilepsia

A investigação, publicada na edição de abril da revista Nature Genetics, envolveu também cientistas na Europa e no Canadá.

Um estudo conduzido por cientistas australianos identificou um gene associado a uma forma comum de epilepsia, que pode levar a um diagnóstico precoce, disse hoje uma investigadora da Universidade de Melbourne.

 

Ingrid Scheffer referiu que os cientistas já conheciam alguns genes ligados à epilepsia, mas estes estavam relacionados com as raras famílias em que um grande número de membros tem a doença.

 

“A razão pela qual esta descoberta é muito importante é por não ser só para raras famílias, pensamos que será um gene importante para pessoas sem uma história familiar”, disse Scheffer à agência France Presse.

 

“É uma mudança significativa porque é importante para um número muito maior de pessoas com epilepsia focal”, adiantou. Focal, ou parcial, dado que as convulsões começam numa parte do cérebro e afetam a parte do corpo controlada por essa zona do cérebro.

 

Admitindo que um diagnóstico clínico de epilepsia não poderá ser feito sem a existência de convulsões, a investigadora considerou que a descoberta poderá ajudar no aconselhamento genético e no diagnóstico, sobretudo nos casos em que tudo o resto no cérebro está normal.

 

Scheffer disse que testar um indivíduo para ver se ele tem o referido gene “é importante para compreender a causa, para o tratamento”, bem como “em termos de aconselhamento genético para os seus filhos”.

 

Lusa

Comentários