Estudantes em praxe solidária distribuíram abraços no Hospital de S. João

Cerca de uma dezena de estudantes passaram a manhã de hoje a distribuir abraços pelos utentes e funcionários do Hospital de S. João, no Porto, numa ação que apelidaram de "praxe solidária".
créditos: Alice Barcellos/SAPO

Ainda houve quem se esquivasse, exclamando "Detesto abraçar desconhecidos!", mas a grande maioria dos utentes, visitantes, médicos ou enfermeiros que se viram a braços com a iniciativa, devolveram o cumprimento com desejos de boas-festas.

"Viemos com os caloiros distribuir carinho, amor e afeto, exatamente a uma semana do Natal, na forma de abraços", disse à Lusa Diogo Rodrigues, 21 anos, presidente da Associação Free Hugs - Abraços Grátis, considerando importante "dar uma palavra de força e de apreço a quem mais precisa".

Para o aluno de primeiro ano de mestrado de Gestão Desportiva, "a vida académica não é só uma vida boémia", pelo que coordenou a iniciativa que se realizou pelo terceiro ano consecutivo no sentido de demonstrar "outros valores a transmitir" pela praxe, que passarão também por "distribuir amor a quem precisa".

Pouco depois de ser abraçado por três caloiros da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, Arnaldo Pereira, de 48 anos, seguiu para uma consulta com a ideia de que essa proximidade "ajuda as pessoas a esquecer os problemas, quer de saúde, quer de outros tipos".

"As pessoas, infelizmente, só se lembram no Natal, mas [durante] todo o ano as pessoas precisam de ajuda e encorajamento, portanto, era bom que fosse todos os dias", considerou.

"Eu estou perplexo por ver isto no Hospital de S. João", confessou Américo Alves, de 69 anos, enquanto esperava por uma consulta de cardiologia, revelando que bastou um primeiro abraço para "ficar logo bem-disposto".

Comentários