Empresa oferece «rastreio digital de bebés» para dadores de esperma

Serviço que emparelha digitalmente o ADN de futuros pais para verificar o risco potencial de doença em milhares de «bebés virtuais» vai ser lançado nos EUA em dezembro.

A empresa start-up nova-iorquina GenePeeks irá concentrar-se inicialmente em dadores de esperma, simulando antes da gravidez como a sequência genética de uma cliente feminina poderá combinar com as sequências genéticas de diferentes homens.

 

Os dadores de esperma que mais frequentemente produzam «filhos digitais» com um risco mais elevado de doenças hereditárias serão filtrados, aceitando apenas os dadores que serão geneticamente «mais recomendáveis».

 

«Neste momento, o nosso negócio é apenas o fornecimentos a futuras mães, que recorrem à dadores de esperma para conceberem, de um catálogo filtrado de dadores baseadono seu perfil genético subjacente», declarou Anne Morriss, co-fundadora da GenePeeks, à BBC News. «Estamos a filtrar os dadores com um elevado risco de doenças pediátricas hereditárias raras.»

 

Avanço da tecnologia

Anne Morriss foi motivada em parte pela sua própria experiência de começar uma família. O seu filho foi concebido com um dador de esperma que passou a partilhar com Anne Morriss o gene para uma doença hereditária chamada MCADD.

 

A MCADD (sigla em inglês para desidrogenase de acil-CoA de cadeia média) impede os afetados de converter gorduras em açúcar. Pode ser fatal se não for diagnosticada precocemente. Felizmente, no caso de Anne Morriss, a doença foi detetada em testes de triagem neonatal.

 

«O meu filho tem uma vida muito normal», declarou Anne Morriss, «mas cerca de 30 por cento das crianças com doenças genéticas raras não chega à idade de cinco anos.»

 

A GenePeeks formalizou uma parceria com um banco de esperma – o Manhattan Cryobank – e tem uma patente pendente sobre a tecnologia de triagem de ADN.

Comentários