Em Defesa da Maternidade Alfredo da Costa

Já foi lançado o livro coordenado por Ana Campos e Ricardo Sá Fernandes que cruza a experiência de profissionais da MAC e de cidadãos comuns na ação popular que travou o encerramento da maternidade.

Está prevista para breve – 2015 ou 2016, ou 2017, de acordo com o último cálculo – a instalação do Hospital de Lisboa Oriental, também conhecido por Hospital de Todos os Santos, que absorverá os vários estabelecimentos hospitalares que hoje compõem o Centro Hospitalar de Lisboa Central, entre eles, a Maternidade Dr. Alfredo da Costa (MAC) e o Hospital D. Estefânia.

 

Porém, durante o ano de 2012, o Ministério da Saúde e a Administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central anunciaram o encerramento da MAC e a imediata integração dos seus serviços no Hospital D. Estefânia.

 

Perante este cenário, reagiram os profissionais da MAC e a sociedade civil também se insurgiu e, através de uma ação popular, interpôs-se uma providência cautelar subscrita por 31 cidadãos.

 

Este livro cruza a experiência de profissionais da MAC que nunca desistiram de alertar para o perigo do que se anunciava e de cidadãos comuns que foram a voz da sociedade civil na ação popular que travou tal desmando.

 

A MAC está instalada há mais de oitenta anos num edifício próprio no coração de Lisboa. Construída de raiz, teve a sorte de ser exemplar por força de uma plêiade de obstetras e ginecologistas que nela consagraram um centro excecional de cultura médica ligado à saúde da Mulher e da Criança.

 

A MAC ganhou pergaminhos de excelência, desde a sua fundação até ao momento atual, onde concentra uma respeitada capacidade de tratamento de grávidas de alto risco, inovando em todos os setores da saúde reprodutiva.

artigo do parceiro:

Comentários