Em 2020, haverá pela primeira vez mais idosos do que crianças

Os sistemas de saúde terão que fazer frente ao desafio que representa o envelhecimento da população, em particular nos países mais pobres, alerta a Organização Mundial da Saúde numa série de estudos publicados na revista médica The Lancet.
créditos: AFP

Em 2020, pela primeira vez na História, o número de pessoas com 60 anos ou mais superará o de crianças com menos de cinco anos em todo o mundo. Uma em cada sete pessoas será idosa.

Em 2050, a população acima dos 60 anos representará dois mil milhões de pessoas, contra os 841 milhões atuais, refere o departamento de estatísticas da OMS num estudo agora publicado.

"O envelhecimento dominará a ordem do dia das políticas de saúde", declarou à imprensa, em Genebra, Sommath Chatterji, médico e coordenador do estudo.

"Nos países de baixo ou médio orçamento, os serviços de saúde não são formados para tratar de pessoas idosas", observou o Tiers Boerma, diretor do departamento de estatísticas da OMS. Este médico destaca que os problemas de saúde destas pessoas serão múltiplos e crónicos, como cancro, doenças respiratórias, artroses, problemas mentais e neurológicos.

O número de pessoas afetadas por demência, por exemplo, deve passar os atuais 44 milhões para 135 milhões em 2050.

Uma das soluções será o desenvolvimento da "cobertura universal de saúde", que a OMS preconiza, mas que pode ser diferente de país para país. "Não existe um modelo único", diz Boerma.

Comentários