Diogo Ayres de Campos nomeado para a nova Comissão Nacional para a Redução da Taxa de Cesarianas

Cesarianas desnecessárias acarretam riscos acrescidos de saúde para a grávida e para o bebé.

Diogo Ayres de Campos, professor e investigador do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), foi nomeado para presidir à Comissão Nacional para a Redução da Taxa de Cesarianas.

 

Esta comissão foi criada por despacho publicado em Diário da República para propor medidas para a redução da taxa de cesarianas em Portugal, que estava nos 36,6 por cento em 2010.

 

A taxa de cesarianas em Portugal continua acima do que é considerado aceitável, sendo que «o uso pouco criterioso desta técnica acarreta riscos acrescidos de saúde para a grávida e o bebé», lembra o especialista em Obstetrícia. Entre estes contam-se «o aumento da hemorragia e da infeção, e as anomalias na implantação da placenta em gestações futuras, que nalguns casos põem em risco a vida da mãe. Também para o recém-nascido existe maior risco de dificuldade respiratória, alergia e diabetes na infância», acrescenta o professor da FMUP.

 

Entre os objetivos desta Comissão contam-se a elaboração de orientações técnicas sobre alguns procedimentos que afetam a taxa de cesarianas (como a definição do trabalho de parto estacionário ou as indicações e métodos para indução do trabalho de parto) e a colaboração com as entidades governamentais na monitorização dos indicadores de saúde relacionados com o tema, nas propostas financeiras de contratualização com os hospitais do Sistema Nacional de Saúde, na formação dos profissionais de saúde nesta área, e na divulgação pública dos riscos associados ao uso excessivo da cesariana.

 

 

Maria João Pratt

.

.

artigo do parceiro:

Comentários