Dia Nacional de Alerta para a Alienação Parental assinala-se pela primeira vez 4ª feira

O Dia Nacional de Alerta para a Alienação Parental assinala-se pela primeira vez, na quarta-feira, e pretende sensibilizar para os direitos das crianças e garantir que “possam conviver com toda a família, longe de quezílias e guerras desnecessárias”.

A iniciativa é da Associação Portuguesa para a Igualdade Parental e Direitos dos Filhos, que lançou em 2012 uma petição para a criação deste dia nacional, que vai ser assinalado com iniciativas em várias cidades do país.

 

A petição teve um parecer positivo da Subcomissão parlamentar de Igualdade, mas não foi a votação em plenário da Assembleia da República, disse à agência Lusa o presidente da associação.

 

“O que nos aconselharam foi a comemorar o dia de forma a torná-lo um facto e para que a Assembleia da República tenha mais vontade política para reconhecer oficialmente esse dia”, adiantou Ricardo Simões.

 

Apesar de já existir o Dia Internacional de Consciencialização para a Alienação Parental, comemorado a 25 de abril, a associação considerou que “era necessário haver um dia nacional”, em que fossem realizadas iniciativas para alertar e consciencializar para a alienação parental.

 

Uma maior consciencialização poderá conduzir a “uma maior intervenção da própria comunidade para evitar este tipo de comportamentos que são, para nós, maus-tratos sobre as crianças”, sublinhou.

 

Ricardo Simões disse não haver um aumento destes casos: “O que existe é a manutenção deste fenómeno e isso não pode continuar a acontecer”.

 

“Nem todos os conflitos parentais resultam em alienação parental, mas é sistemático este comportamento e não temos nem instituições, nem profissionais suficientes com conhecimento para intervir nesta matéria”, alertou.

 

A alienação parental “é um comportamento, promovido consciente ou inconscientemente por um dos progenitores ou outro adulto em quem a criança confia, com o objetivo de eliminar ou distorcer a imagem de um progenitor em relação a outro nas situações de separação ou divórcio, conflituoso ou não”, refere a associação.

 

Como consequência, as crianças poderão ter dificuldades em estabelecer relações de confiança, ter baixa tolerância à raiva e à hostilidade, ter problemas de sono e alimentação, ter sentimentos de culpa, comportamentos desviantes ou desenvolver doenças psiquiátricas.

 

Para combater a alienação parental, Ricardo Simões disse que o primeiro passo “é o reconhecimento que existe este fenómeno”, mas também formar profissionais que possam intervir atempadamente nestas matérias.

 

Também “tem que haver uma intervenção célere dos profissionais, dos tribunais e das instituições de saúde para que esses comportamentos não continuem”.

 

“Em termos de intervenção o problema não é a criança, mas o progenitor alienador”, sobre o qual se tem de intervir para evitar que a criança sofra maus-tratos, defendeu.

 

A escolha do dia tem que ver com o caso de um pai que foi assassinado a 05 de fevereiro em 2011 pelo sogro, no decorrer de uma visita parental.

Na altura do assassinato, o homicida tinha a neta ao colo, que assistiu assim à morte do pai.

 

“Foi assassinado por querer ser pai, pelo amor à sua filha, pela luta desigual. Luta continuada atualmente pelos seus pais, avós da criança, que pretendem ver respeitado o direito da sua neta à convivência com a família paterna”, adianta a associação.

 

Lusa

Comentários