Cruz Vermelha quer alargar projeto que envolve avós na comunidade escolar

A Cruz Vermelha de Gaia desenvolveu no último ano um projeto social que envolveu avós, crianças e professores numa escola do concelho, que agora pretende disseminar por todas as escolas do país.

A iniciativa contou com a participação, no decorrer do anterior ano letivo, de 350 crianças, 25 professores e 20 avós e contribuiu para “reduzir o estigma associado às pessoas idosas” através do seu envolvimento na comunidade escolar.

Segundo a coordenadora do projeto, Liliana Ribeiro, a ação decorreu numa escola do concelho de Vila Nova de Gaia, mas o objetivo é disseminá-la por outras escolas do país, contando para isso com o apoio da Fundação EDP e da Área Metropolitana do Porto.

“Trata-se de um projeto social inovador, pioneiro e experimental que conseguiu melhorias significativas na saúde mental e no suporte social de mais de 20 pessoas idosas, a par de uma melhoria significativa na atitude face às pessoas idosas na comunidade escolar”, explicou Liliana Ribeiro.

O projeto-piloto decorreu na escola básica EB1 do Cedro, em Vila Nova de Gaia e consistiu na participação dos idosos nas atividades de enriquecimento curriculares (AEC).

Segundo a responsável, o projeto “A+ Avós na Escola” nasceu num ‘Bootcamp’ em Empreendedorismo Social e teve como base “um problema importante e negligenciado: o estigma associado ao envelhecimento e o desperdício do conhecimento acumulado pelas pessoas idosas”.

“A solução desenhada foi muito simples, envolver pessoas idosas nas atividades da comunidade escolar promovendo, simultaneamente, o convívio e a aprendizagem intergeracional”, acrescentou.

Comentários