Campanha do Pirilampo Mágico arranca hoje para ajudar crianças e jovens deficientes

"Mais Água, Mais Ambiente, Mais Cidadão, Mais Inclusão" é o lema deste ano da campanha, que assinala assim o Ano Internacional de Cooperação pela Água.

Seiscentos e cinquenta mil pirilampos mágicos, “vestidos” de verde água, estão a partir de hoje à venda em todo o país para angariar receitas a favor de crianças e jovens com deficiência mental e multideficiência.

A apresentação da campanha do Pirilampo Mágico, que decorre até 4 de junho, foi feita hoje, a bordo de um navio, simbolizando o início de uma viagem iniciada há 27 anos com o lançamento do primeiro "bonequinho", disse a presidente da Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (Fenacerci), Julieta Sanches.

Segundo a Fenarcerci, “associar a água, como recurso essencial à vida, a uma campanha cuja missão é ajudar as pessoas com deficiência intelectual, promovendo os seus direitos e qualidade de vida, é também uma forma de reforçar a necessidade de promover estratégias de inclusão e de igualdade de oportunidades para todos os cidadãos".

No final da cerimónia, Julieta Sanches explicou que a Fenarcerci “procura sempre que o pirilampo vá ao encontro dos temas que o próprio ano trata”.

“Também estamos a festejar o ano do cidadão e, portanto, temos de ser solidários uns com os outros”, adiantou a responsável, esperando que “todos os portugueses sejam solidários com a campanha, como tem acontecido ao longo de 27 anos”.

“Mais uma vez apelamos à cidadania, à solidariedade e à vontade forte que o nosso país tem de se levantar e de levantar aqueles que são mais frágeis na nossa sociedade”, frisou.

Questionada sobre se as dificuldades que os portugueses estão a atravessar poderão ter impacto na campanha, Julieta Sanches afirmou que “os portugueses têm um coração enorme, gostam de partilhar e abraçam muito estas causas”.

Contudo, afirmou, “não somos levianos ao ponto de não termos essa preocupação, mas também a experiência que temos é que as pessoas mais solidárias da nossa campanha são as que gostam de repartir e são, muitas vezes, as que menos têm”.

“Estou convencida de que, mais uma vez, vão estar connosco e vamos conseguir vender os nossos materiais para melhorar a qualidade de vida das pessoas que atendemos e para as quais trabalhamos”, sustentou.

Presente na cerimónia, a mulher do Presidente da República salientou a importância desta campanha, da qual é madrinha: “[Já acontece] desde 1987 e não tem perdido o entusiasmo, nem a capacidade de envolver os portugueses. Antes pelo contrário, todos os anos parece que sobe mais”.

Maria Cavaco Silva considerou que as pessoas “estão mais atentas e muito mais abertas” para a realidade da deficiência mental que “durante muitos anos se tentou escamotear e esconder”.

Sobre o preço do pirilampo (dois euros), Maria Cavaco Silva disse que “não será acessível” para algumas pessoas. “Não tenho ilusões, mas uma das coisas que eu acho muito simpática no pirilampo é o facto de, com dois euros, eu sentir que consigo ajudar”.

Maria Cavaco Silva salientou o facto de os portugueses serem “um povo muito solidário”.

“Todas as campanhas a que tenho dado o meu patrocínio” angariaram um “valor superior ao do ano” anterior. “Não é só um povo solidário, é um povo consciente das dificuldades que está a viver”, acrescentou.

Além do pirilampo, vão estar à venda pins, canecas e t-shirts.

 

Lusa

Comentários