Estudo-piloto vai colmatar défice de iodo nas crianças

Uma equipa de investigadores do Cintesis – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, com sede no Porto, vai iniciar um estudo-piloto que tem como objetivo diminuir a carência de iodo nas crianças em idade escolar.
créditos: Pixabay

O Cintesis anunciou hoje que este projeto, de caráter interventivo, vai envolver mais de 700 crianças entre os 6 e os 12 anos de idade de um agrupamento de escolas no centro de Lisboa e arranca na semana de 16 de outubro, Dia Mundial da Alimentação.

O estudo integra-se no IoGeneration – um projeto europeu que recebeu meio milhão de euros de fundos europeus para avaliar o estado do iodo em Portugal.

“Os resultados dessa avaliação foram alarmantes. O IoGeneration revelou que um terço das crianças portuguesas com idades entre os 6 e os 12 anos apresenta níveis insuficientes de iodo, o que pode comprometer o seu desenvolvimento cognitivo”, salienta, em comunicado, Conceição Calhau, investigadora do Cintesis e professora da Nova Medical School, em Lisboa.

Por essa razão, a líder do IoGeneration decidiu que o projeto deveria ter continuidade e, depois de apresentar uma proposta de suplementação nacional junto da Comissão Parlamentar da Saúde, juntou esforços com a Direção Geral da Educação (DGE), a Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) e com o Agrupamento de Escolas D. Filipa de Lencastre (Lisboa) para operacionalizar um estudo-piloto, de caráter interventivo, que permita testar uma estratégia para corrigir os níveis de iodo das crianças.

“O objetivo é que esta estratégia venha apresentar resultados positivos na saúde das crianças, devendo depois ser replicada por todo o país”, sublinha Conceição Calhau.

Comentários