Amamentar filhos no trabalho "faz sentido" em termos económicos

O diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder, defendeu que "faz sentido económico" garantir que as mães disponham de tempo e espaço para amamentarem os filhos no emprego.
créditos: AFP

Em declarações à Rádio ONU, o responsável disse que assegurar a proteção adequada, tempo e espaço para a amamentação no trabalho "não só é a coisa certa a ser feita", mas também "faz sentido económico".

Para Guy Ryder, as mulheres que têm benefícios no local de trabalho valorizam os seus empregadores, o que, na sua opinião, conduz à "satisfação no emprego e lealdade".

A mensagem do líder da OIT, agência da ONU, surge a propósito da Semana Mundial da Amamentação, que começou hoje, sob o tema "Amamentação e Trabalho".

Segundo o diretor-geral da OIT, a amamentação no emprego é fundamental para o aumento das taxas de aleitamento materno.

Ryder lembrou que muitos países têm "relevantes legislações nacionais" sobre a criação de espaços para amamentação no local de trabalho ou próximo dele.

830 milhões de mães sem proteção adequada

Contudo, ressalvou que a maioria dos cerca de 830 milhões de mulheres que trabalham no mundo não tem proteção adequada na maternidade, sendo que quase 80% dessas trabalhadoras estão na África e na Ásia.

Na sua mensagem, reproduzida no portal da Rádio ONU, o chefe da OIT salientou que as mulheres com trabalho precário enfrentam mais obstáculos para continuarem a amamentar os seus filhos, acrescentando que as mães que vivem em países mais pobres "recebem menos proteção e precisam de apoio e serviços em casa, no local de trabalho e na comunidade".

Para Guy Ryder, é, por isso, "hora de mobilizar governos, empregadores e associações de trabalhadores para agirem de forma organizada nas áreas de saúde, nutrição e igualdade de género", de modo a "permitirem que mulheres que trabalham amamentem".

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários