Transferência de embriões criopreservados

É sempre o casal que decide o destino a dar aos embriões criopreservados, que podem permanecer armazenados por um período máximo de três anos, renováveis por mais três

Se os embriões criados durante um ciclo de FIV ou ICSI não forem todos transferidos, os casais podem decidir pela sua criopreservação (congelação e armazenagem) em azoto líquido, a -196ºC, para que possam ser utilizados numa tentativa posterior, para terem um segundo filho ou caso a primeira não dê um resultado positivo.

 

A decisão sobre o destino dos embriões criopreservados é da responsabilidade do casal, podendo estes serem igualmente doados a outro casal, doados para investigação científica ou destruídos. De qualquer modo, é sempre o casal que decide o destino a dar aos embriões criopreservados, que podem permanecer armazenados por um período máximo de três anos, renováveis por mais três.

 

Anualmente as clínicas de Medicina da Reprodução estabelecem contacto com todos os casais cujos embriões estejam armazenados nos seus contentores de criopreservação, pelo que é importante que os casais, caso mudem de residência ou contactos, mantenham essa informação atualizada. Para que a criopreservação possa ocorrer, os embriões são guardados no interior de um líquido crioprotetor especial, que os protege contra eventuais danos que o processo de criopreservação possa provocar.

 

Nem todos os embriões são suscetíveis de serem criopreservados: só os que se tiverem desenvolvido normalmente e que não apresentem níveis significativos de fragmentação é que têm condições para passar pelo processo de congelação e descongelação.

 

É também importante que os casais tenham a noção de que, mesmo com todos os cuidados de segurança, há embriões que não sobrevivem ao processo de criopreservação e descongelação para utilização em novo ciclo de tratamento. É por esta razão que por vezes pode ser necessário descongelar mais embriões que aqueles que se está a pensar transferir nos ciclos de tratamento com transferência de embriões criopreservados.

Comentários