Sexo sem medo durante a gravidez

Desmistifique algumas ideias e aceite alguns conselhos

Ao contrário do que muitos casais ainda julgam, os nove meses de gravidez não têm que ser sinónimo de abstinência sexual. Antes pelo contrário!

Apesar das limitações inerentes ao novo estado da mulher, esta até se apresenta com um maior apetite a este nível, em função das alterações hormonais que o seu organismo está a sofrer.

Desde que tenha algum cuidado, o casal pode, por isso, desfrutar esta fase com bastante intensidade. Estes são alguns dos mitos que ainda perduram e que nem sempre fazem sentido. Desmistifique estas situações e adapte-se a elas para tirar prazer das suas relações sexuais.

O receio de fazer mal ao bebé

Caso não haja qualquer contraindicação médica e a gestação for normal, o casal pode viver a sua sexualidade plenamente. As relações sexuais não provocam aborto nem magoam o feto. Na verdade, o bebé está protegido, dentro do útero, selado por uma espessa placa mucosa que se mantém fixa até pouco antes do parto, pelo líquido e membrana amnióticos.

Os riscos da penetração

A penetração não envolve riscos, embora deva ser suave para evitar o desconforto. Ainda assim, especialmente no final da gravidez, uma penetração profunda pode dar origem a uma hemorragia já que o colo uterino prepara-se para o parto. Daí que se recomende evitar esse tipo de penetração, especialmente nesta fase da gravidez.

Quando o orgasmo é desaconselhado

Durante o orgasmo é normal que o útero se contraia, o que, no caso de uma gravidez normal, não representa perigo. Já numa gravidez de alto risco, pode ser desaconselhado que a mulher atinja o orgasmo dado o risco de aborto espontâneo ou de parto prematuro.

Comentários