Estou grávida. Posso pintar o cabelo?

Falámos com uma cabeleireira para a ajudar a saber o que deve e não deve fazer neste caso.

Um dos assuntos mais controversos entre as mulheres envolve o uso ou não de tintas ou qualquer outro produto químico nos cabelos durante o período da gravidez. Será que vão fazer algum mal ao bebé que está dentro da barriga? Quais as consequências que o uso de produtos químicos pode trazer à gestação?

As tintas, principalmente as mais antigas, alisamentos ou permanentes contêm muitas substâncias (entre as quais o amoníaco, o benzeno ou formol), que são absorvidas pelo couro cabeludo, região bastante vascularizada, que chegam até ao bebé e podem prejudicá-lo. No entanto, há bastantes divergências entre os especialistas (sejam eles médicos ou cabeleireiros) quanto ao uso de produtos químicos durante a gestação. Uns reprovam, outros minimizam o problema e dão soluções.

Há médicos que não recomendam qualquer tipo de produto que seja químico (tinta ou outros procedimentos como permanentes ou alisamentos), há outros médicos que indicam o uso de produtos naturais, como a henna ou tinta sem amoníaco ou ainda aplicar a tinta sem tocar na raiz dos cabelos, ou seja, madeixas ou  reflexos, que são aplicados com uma touca, protegendo o couro cabeludo dos produtos químicos.

Falámos com uma cabeleireira para nos dar a sua opinião e experiência. Celeste Ferreira, explica que de facto as opiniões são controversas mas que a mais importante é não fazer qualquer tipo de procedimento químico até aos 3/4 meses de gravidez, pois é nesta altura que há mais possibilidades de gerar más formações. A partir daí já há muitas hipóteses no mercado de tintas que não contêm amoníaco e por isso não são perigosas para o bebé. No caso da permanente é o serviço que não aconselha em nenhuma das fases da gravidez pois tem componentes que são muito agressivas, tanto para a mãe como para o bebé.

Comentários