4 formas de comunicação inter-uterina

A música, as conversas com o bebé, o toque na barriga e os pensamentos para o seu bebé são a chave para o início de uma boa relação

A Bebé Vida, banco de tecidos e células 100% português, enumera 4 técnicas de comunicação inter-uterina para fazer a ligação entre o meio exterior e o bebé logo a partir das 22 semanas de gravidez.

A gravidez é um momento único na vida de qualquer casal. É uma época de grandes mudanças e onde são construídos laços que perduram para toda a vida. Com o intuito de proporcionar um maior conhecimento das características de cada elemento da nova família em construção, a Bebé Vida enumera 4 estratégias de comunicação inter-uterina.

A Música
A música constitui-se como uma ponte de aproximação entre o casal e o seu bebé estando diretamente relacionada com a partilha de sentimentos. A associação da música a períodos de tranquilidade e serenidade faz com que o casal se encontre mais disponível para a troca de estímulos com o bebé e para o seu próprio auto-conhecimento. Com estes períodos de serenidade, é natural, que no futuro o bebé associe a música a momentos de relaxamento acalmando-se quando reconhecer este estímulo.

As conversas com o bebé
Durante a gravidez o bebé ouve diariamente a voz da mãe e do pai, desta forma quando nasce reconhece as suas vozes sendo frequente virar a cara na direção das vozes que lhe são familiares. Este reconhecimento entre pais e bebé ajuda a mãe e o pai a sentirem-se mais capazes de enfrentar este novo desafio da parentalidade.

Tocar na barriga
O toque é reconhecido como uma das vias de transmissão de afeto que permite o desenvolvimento e aprofundamento das relações de confiança. Com esta aproximação, o bebé desenvolve a capacidade de diferenciação de vários tipos de toque reagindo de forma diferente quando se trata de uma afeto da mãe e/ou do pai, ou de uma pessoa que não seja próxima.

Pensamentos para o seu bebé
Esta é a única forma de comunicação que apenas ocorre entre a mãe e o bebé, pois a progenitora é a única que pode ter pensamentos positivos direcionados para o seu filho. Estes pensamentos são benéficos uma vez que a nível fisiológico ocorre uma resposta hormonal associada ao relaxamento e à tranquilidade.

Sílvia Martins, Administradora da Bebé Vida, aconselha:“a gravidez é um momento de partilha, onde se criam e estabelecem os primeiros laços com o bebé. Desta forma, é importante que se desenvolva uma relação de continuidade e de afeto permanente.”

É fundamental que exista uma disponibilidade afetiva da mãe e que esta se concentre no seu bebé e nos benefícios que este momento de partilha e de estimulação representam para a vida inter-uterina. A forma como o bebe reage a cada uma das técnicas condiciona também a forma como os pais encaram cada uma delas, tornando agradável e entusiasmante uma técnica que através da interpretação da resposta do bebé também lhes aparenta agradar. Em síntese, quanto maior for a entrega, maior será o reconhecimento e mais facilitador será o processo.

Nota: Artigo elaborado com o apoio da Enfermeira Maria João Esperança da Silva, Especialista em Saúde Materna e Obstetrícia.

artigo do parceiro: Susana Krauss

Comentários