Uma em cada quatro crianças é vítima de bullying

O termo pode ser inglês, mas a realidade do bullying é muito conhecida nas escolas portuguesas. Os números são da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV).
créditos: Pixabay

Numa tradução livre da palavra para português, bullying significa intimidação. “É uma forma de violência entre pares, geralmente crianças ou jovens, com a intenção de magoar a outra pessoa”, referem dados do dossier sobre o tema da Comissão da Proteção de Crianças e Jovens em Risco de Arouca.

“A maioria das situações de intimidação ocorre em contexto escolar (recreios, casas de banho, refeitórios e salas de aula) ou no percurso entre a casa e a escola. Habitualmente, acontece quando não existem adultos por perto.” Assim sendo, é cada vez mais fundamental que os pais, familiares e encarregados de educação estejam informados e sensibilizados para esta realidade do bullying.

Quais os tipos de bullying?

Verbal: chamar nomes, ser sarcástico, lançar calúnias ou gozar com alguma característica particular do outro (“gordo”, “caixa de óculos”, “trinca-espinhas”);

Físico: puxar, pontapear, bater, beliscar ou outro tipo de violência física;

Emocional: excluir, atormentar, ameaçar, manipular, amedrontar, chantagear, ridicularizar, ignorar;

Racista: toda a ofensa que resulte da cor da pele, de diferenças culturais, étnicas ou religiosas;

Cyberbullying: utilizar tecnologias de in-formação e comunicação (internet ou telemóvel) para hostilizar, deliberada e repetidamente, uma pessoa, com o intuito de a magoar.

Sinais de alarme

São vários os sinais que uma criança ou jovem pode demonstrar se estiver a ser vítima de uma situação de bullying. Estar assustada ou não ter vontade de ir para a escola, apresentar fracos resultados escolares, isolar-se, mostrar sinais de gaguez, mostrar angústia, deixar de comer, perder constantemente comida, dinheiro ou outros bens, começar a roubar dinheiro, ter medo de falar sobre o que se passa na escola, ter pesadelos, fugir ou, num caso extremo, tentar o suicídio são alguns, que podem significar que essa mesma criança está a ser intimidada.

No entanto, estes mesmos sinais podem indicar outro tipo de violência, mas é necessário ter em atenção que o bullying tem e deve ser tido em consideração quando os atos são deliberados e acontecem repetidamente. As manifestações são diferentes de criança para criança, podendo, em alguns casos, ser pouco visíveis ou mesmo passarem despercebidas, sem que isso signifique menor gravidade.

artigo do parceiro:

Comentários