Projeto de educação alternativo

Saiba onde funciona e em que consiste

É ao som de música clássica e através de atividades ligadas às artes plásticas que as crianças de um colégio no Porto, de ensino pré-escolar, iniciam o seu processo de aprendizagem, logo a partir dos quatro meses de vida.

Esta é uma proposta de educação alternativa que pretende estimular os pequenos talentos desde a mais tenra idade e não só.

Pois, como explica a responsável do Colégio Tickles - Creche e Jardim de Infância, Cristina Gama, «estas áreas favorecem o desenvolvimento cognitivo, linguístico, psicomotor e sócio/afetivo das crianças». Além destas mais-valias visíveis, que terão repercussões no seu processo educativo a curto, médio e longo prazo, a responsável lembra ainda que «o ensino da música e das artes torna a escola mais alegre e mais recetiva, características que facilitam a inclusão social dos mais pequenos».

Este colégio bilingue, que está localizado na zona da Boavista e tem como ensino de base as línguas portuguesa e inglesa, diferencia-se também pelo ambiente multicultural, já que tem crianças provenientes de vários países desde a Alemanha à Índia. As atividades de solidariedade é um outro factor diferenciador, cujo objetivo passa por alertar os educandos para os princípios de partilha e convivência social.

E porque os hábitos de vida saudáveis não devem ficar só para a idade adulta, aliás, devem começar logo desde o início da vida, a alimentação é outra preocupação crucial. Na ementa diária, além das refeições habituais, há também um menu vegetariano confecionado a pensar nas crianças que decidem desde cedo seguir este tipo de alimentação.

Adaptado à vida moderna, este estabelecimento de ensino oferece ainda um serviço online de acesso personalizado, onde os pais podem seguir a par e passo as atividades desenvolvidas pelos filhos, no seu dia a dia escolar.

Preparar as crianças desde cedo para o exigente mundo competitivo que encontrarão mais tarde é o lema desta instituição que acolhe crianças desde os quatro meses até aos seis anos, idade em que entram no ensino primário.

Texto: Sofia Cardoso

artigo do parceiro:

Comentários