O fim da picada

Cuidados a ter com os insectos em tempo quente

Este verão, as abelhas, mosquitos e peixes-aranha não vão estragar as férias do seu filho.

As picadas de insetos ou mordidelas de bichos pequenos fazem tanto parte do verão como as sandálias de tirinhas. 

Com o calor e a exposição da pele, estes perigos aumentam. Os seus
filhos podem estar especialmente vulneráveis aos ataques destes seres
quase invisíveis.

Mas há alguns truques que podem fazer com que tenha um verão mais
tranquilo. Para saber mais sobre o que (não) deve fazer em caso de
picada, clique aqui

Crianças prevenidas

As picadas podem ser prevenidas usando roupas claras que cubram a maior
parte do corpo, evitando a combinação de janelas abertas e luzes acesas e
usando repelentes e redes mosquiteiras. 

Evite também champôs ou cremes com cheiro, águas estagnadas ou comida ao
ar livre. Não é aconselhável o uso de repelente em bebés com menos de
dois meses e, até aos três anos, há o risco de o lamberem.

«Pode ser posto na cama e nos recantos escuros do quarto e não
diretamente na criança», refere Vasco Sousa Coutinho, dermatologista
pediátrico. Abuse das redes mosquiteiras e antes de deitar os seus
filhos, investigue o quarto. Pode ligar o difusor anti-mosquitos, mas se o seu filho «tiver menos de
cinco anos, desligue-o quando ele se deitar», recomenda o especialista.

Os ácaros são outra ameaça, pelo que o colchão deve ser aspirado sempre
que mudar os lençóis e deve usar um protetor próprio. «A prevenção
passa pela hidratação da pele da criança», explica o dermatologista
pediátrico. 

Como tratar

Apesar de todas as precauções, em caso de picada ou mordidela, «os pais
não devem dramatizar muito, uma vez que são incómodos passageiros»,
aconselha o dermatologista. Se não houver uma grande reação não é
preciso recorrer a nenhum produto. Caso esta ocorra, pode aplicar gelo, que tem uma ação
anti-inflamatória, e um anti-histamínico em gel.

Se a criança tiver
muitas picadas, o gel pode, contudo, causar alergia, pelo que é
aconselhável dar um banho fresco ou aplicar creme com cortisona, sob
supervisão médica. Se a reação for muito exuberante (o que pode suceder com abelhas, por
exemplo, em que podem surgir dificuldades respiratórias, podendo
provocar a morte), deve chamar o 112 imediatamente. 

Texto: Joana Andrade com Vasco Sousa Coutinho (dermatologista pediátrico)

artigo do parceiro:

Comentários