De pequenino é que se come o pepino

Eduque os seus filhos para que aprendam a adotar uma alimentação saudável desde cedo para que o cérebro funcione sempre nas melhores condições

Little girl with a bowl of vegetables

De pequenino é que se come o pepino, a cenoura, o tomate e por aí fora… A qualidade da alimentação das crianças deve ser uma prioridade desde a mais tenra idade, privilegiando os vegetais e a fruta, proteínas magras de alto valor biológico e uma quantidade muito reduzida de gorduras e açúcares, o que nem sempre sucede. Na fase escolar, esse cuidado deve ser redobrado, particularmente quando chegarem à fase dos testes e exames. Estas são algumas das estratégias que deve implementar para criar bons hábitos alimentares desde a mais tenra idade:

- As sopas dos bebés com um ano «devem levar uma colher de azeite em cada prato», frisa  a nutricionista Maria Paes de Vasconcelos.

- «Para crianças até aos três anos, as necessidades de gordura são de 40% da sua energia, porque estão a construir o cérebro», elucida a especialista.

- Evite temperar salmão com azeite, pois «sobrecarrega a digestão, que fica mais lenta», adverte. «A criança pode associar a náusea que tem àquele peixe e passar a recusá-lo», refere ainda. Para contrariar esta situação, surgiram no mercado azeites especiais, como o Oliveirinha da Oliveira da Serra. Com apenas 0,3% de acidez, este azeite virgem extra muito suave é produzido predominantemente a partir de azeitonas da variedade arbequina, o que permite desde cedo a introdução desta gordura de forma saudável e equilibrada.

- Dar leite às crianças antes de irem dormir ajuda a que tenham um sono mais tranquilo, pois produz mais serotonina, a hormona do bem-estar.

- Se a criança acordar a meio da noite, a nutricionista recomenda que os pais dêem um copo de leite ou um iogurte líquido de modo a «interromper o pesadelo ou a ansiedade e para ter o estômago reconfortado», adverte a especialista.

- Todavia, não deve habituar os seus filhos a comerem bolachas à noite «por causa das cáries e porque é aditivo», afirma. «Dar três ou quatro bolachas, há o risco de comer seis ou oito», adverte a nutricionista. Para ter a verdadeira noção do perigo dos snacks para os dentes do seu filho, clique aqui.

- Quando tiverem avaliações, não incentive o consumo de chocolate. «Nem pensar. Não melhora o raciocínio de um momento para o outro e tem muita gordura», conclui Maria Paes de Vasconcelos.

Texto: Filipa Basílio da Silva com Luis Batista Gonçalves (edição internet)

artigo do parceiro:

Comentários