Autoestima

A falta de autoestima leva a insegurança e provoca sentimentos de inferioridade

A beleza maior é encontrada no interior, no entanto somos ensinados e tudo nos diz que a beleza vem do exterior. Vem da imagem, da posição social ou do dinheiro. Tudo o que é diferente dá nas vistas é auxiliar de beleza e afirmação, na verdade, a beleza e o sucesso começam no interior. A falta de autoestima leva a insegurança e provoca sentimentos de inferioridade. Se a beleza não existe no interior o sucesso enraizado jamais acontece.

É importante ensinar aos mais novos desde muito cedo, diria do berço, a importância da beleza interior e da autoestima. Crianças com autoestima sabem afirmar, defender-se, têm o dom da criatividade e são mais lúcidas nas suas escolhas. Pais e todos os familiares devem envolver-se na formação da criança, na ajuda constante para que ela se conheça, explore o seu potencial e se sinta apoiada para as suas descobertas e concretizações. Cada ser humano é único e cheio de valor. Compete aos orientadores o fortalecimento da autoestima do bebé ou da criança sabendo que cada adulto equilibrado, produtivo e realizado tem na base uma infância feliz e com estrutura.

Os conceitos e preconceitos que cada criança cria através dos exemplos e da convivência com os adultos formam ou destroem a sua autoestima.

Afinal o que é autoestima?

É a opinião e o sentimento que cada pessoa tem de si mesma. É a capacidade de se respeitar, confiar e gostar de si. Fazer as escolhas que trazem felicidade. Ter fé que podemos tudo e conseguimos tudo com a nossa força de vontade. Ter a certeza de que mais tarde ou mais cedo a concretização dos nossos ideais é real. Acreditar!

Baixa autoestima pode ser caracterizada por sintomas como insegurança, dúvida constante, depressão, inflexibilidade, medo, agressividade, necessidade extrema de agradar e de ser aplaudido, entre outras.

As causas mais comuns que afetam a falta de autoestima são critica, carência, frustração, inveja, humilhação, falta de amor, timidez, raivas, perdas ou dependências, uma infância com muitas castrações e disciplina rígida.

Quem tem boa autoestima, apresenta flexibilidade para curvar-se sem quebrar e não apresenta seu orgulho (ego) tão “à flor da pele”, procura tratar-se de maneira amorosa e passa isso aos demais.

O magnetismo

Todos sabemos que atitude atrai atitude, logo se a beleza interior for estimulada, antes de mais, o dia a dia começa a ser mais rico e mais feliz. O exterior vai responder a esta atitude trazendo-te pessoas ótimas. Não é só a beleza física que atrai e encanta mas também a beleza interior.
Pessoas magnéticas atraem naturalmente ótimas oportunidades. A sua autoestima assegura que as pessoas, as circunstancias e os valores cheguem a estas pessoas sem dificuldade já que acreditam no seu poder pessoal. As crianças podem e devem ser ensinadas a perceber o seu maior potencial, como aplica-lo nas diversas fases de vida e a estimar esta capacidade.

Quem tem uma autoestima alta respeita-se a si mesmo, reconhecendo a sua própria dignidade e valor.

Isabel Leal: www.alegrianainfancia.wixsite.com/index 

Comentários