Arrumar o quarto

Três maneiras de pôr os filhos a arrumarem o quarto.

Este tema é, para muitos de nós, um assunto cansativo. Todos gostamos de ter a casa (minimamente) arrumada, incluindo as divisões mais «difíceis» como o quarto dos filhos. Por outro lado, queremos incutir-lhes a responsabilidade pela arrumação das suas coisas, ao mesmo tempo que procuramos respeitar o seu direito à independência e a tomarem algumas decisões por si mesmos. Desta forma, perante a desarrumação no quarto dos filhos, temos basicamente três hipóteses.

 

Hipótese 1: fechar a porta

Os pais que optam por esta atitude consideram que o quarto é a divisão da casa a cargo da criança. Tudo o que se passa para lá daquela porta é da responsabilidade dos filhos e não dos pais. Eles que se entendam no meio da confusão. O que estes pais pensam é que a arrumação não é um caso de vida ou de morte e não justifica qualquer guerra com os filhos que perturbe o bom ambiente familiar. A única coisa que pedem às crianças é que a porta do quarto esteja sempre fechada. «Longe da vista, longe do coração».

 

Noutros casos, não nos importamos com a desarrumação em geral mas consideramos justo colocar algumas regras básicas. Por exemplo, a roupa suja deve ser colocada no cesto próprio na casa de banho ou a comoda pode não sair da cozinha. Desde que obedeçam a estes princípios, que consideramos fundamentais, tudo o resto é com eles.

 

Mas para muitos de nós esta hipótese não funciona de todo. Ou porque consideramos inaceitável a desarrumação e, mais do que isso, a ordem e a arrumação são valores que consideramos importantes, que valorizamos e que queremos transmitir. Ou porque achamos que os filhos mais velhos devem dar o exemplo aos mais novos, pelo que todos têm de afinar pelo mesmo diapasão, e os quartos têm de estar todos arrumados. Ou ainda quando o quarto é partilhado por vários irmãos e, sendo um desarrumado, os outros não vivem felizes na arrumação. Quando é assim, fechar a porta não é solução.

Comentários