A bronquiolite, uma das principais causas de internamento pediátrico

Uma bronquiolite é uma infeção dos bronquíolos que afeta crianças com menos de 2 anos de idade. A propósito desta doença, estivemos à conversa com o médico pediatra Nuno Carreira do Hospital Lusíadas Lisboa.
créditos: Pixabay

O que é uma bronquiolite?

Uma bronquiolite é uma infeção das vias aéreas inferiores mais pequenas (os bronquíolos), que afeta crianças com menos de 2 anos de idade.

E são muito frequentes?

As bronquiolites são das causas mais comuns de doença e internamento em crianças.

Quais são os sintomas da bronquiolite?

A bronquiolite começa como uma simples constipação, com ranho e tosse, aparecendo ao fim de 2-3 dias a pieira (os chamados "gatinhos"). Pode haver febre mas não é obrigatório. As crianças mais pequenas podem ficar com dificuldade e cansaço ao comer, sobretudo ao mamar ou no biberão.

Como se pode ajudar um bebé com bronquiolite a comer e a respirar melhor?

O mais importante é manter uma adequada hidratação, dando líquidos regularmente em quantidades pequenas a moderadas de cada vez, e desobstruir o nariz. Quanto a medicações, devem sempre ser feitas de acordo com indicação médica.

Qual é a duração normal de uma bronquiolite?

Uma bronquiolite começa com os sintomas de uma constipação. Tem o seu pico ao fim de três a cinco dias e os sintomas (como tosse e pieira) podem levar duas a três semanas (ou mesmo quatro semanas em 10% dos casos) a desaparecer.

Só em situações muito raras é que uma bronquiolite pode deixar sequelas que, eventualmente, podem chegar à idade adulta
Em que casos é que se deve procurar um pediatra ou especialista em Pneumologia Pediátrica?

Se existe dúvida sobre a existência de bronquiolite, a criança deve ser observada. Se não houver sinais de preocupação, pode pedir opinião ao médico assistente (se for possível o contacto) ou levá-lo a uma consulta num médico assistente ou centro de saúde, por exemplo.

Se houver sinais de alarme, deve procurar-se um Serviço de Urgência. Os sinais de alarme são: prostração, palidez, cianose (coloração azulada dos lábios ou das extremidades), apneia (situação em que as crianças param temporariamente de respirar), recusa/dificuldade em mamar, desidratação, aumento da frequência respiratória (número de vezes que se respira por minuto e que é variável com a idade), tiragem (quando respira, a pele "mete-se" entre as costelas ou por cima do esterno e faz uma espécie de "buraquinho"), adejo (as narinas começam a abrir em cada inspiração para obter o máximo de ar).

Este tipo de afeções requerem internamento? Em que casos?

As crianças que necessitam de internamento são aquelas que mantêm os sinais de alarme descritos anteriormente, apesar dos tratamentos feitos no Serviço de Urgência.

Usamos ainda um método adicional para avaliar as crianças: a medição da saturação de oxigénio (quando é colocada um sensor com uma luz vermelha num dedo da criança). Se a criança tiver hipoxémia (saturação baixa de oxigénio, sendo o valor variável com a situação), pode ser um critério adicional de internamento.

É possível prevenir a bronquiolite?

A prevenção da bronquiolite passa por medidas de higiene: as pessoas que vivem com crianças pequenas devem lavar bem as mãos antes de mexer nelas; devem evitar fumar enquanto convivem com elas (o tabagismo passivo aumenta o risco e a gravidade das bronquiolites); e, caso estejam constipadas, devem usar uma máscara quando estão ao pé da criança.

De que forma é que as bronquiolites frequentes e outras infeções respiratórias em idade pediátrica podem afetar a vida adulta?

Algumas crianças, após um episódio de bronquiolite, ficam com tendência para ficar com pieira sempre que se constipam. Essa situação tende a desaparecer com a idade, não acontecendo já na adolescência. Só em situações muito raras (bronquiolite muito grave, crianças com doenças cardíacas graves ou com deficiências do sistema imune) é que uma bronquiolite pode deixar sequelas que, eventualmente, podem chegar à idade adulta.

Os esclarecimentos são do médico pediatra Nuno Carreira do Hospital Lusíadas Lisboa

Comentários