Rodrigo Menezes só quer “curtir”

Ator desvaloriza incidente com a GNR na noite do Algarve.

Detido numa estrada do Algarve, na passada sexta-feira, depois de um desentendimento com agentes da GNR, o ator Rodrigo Menezes rapidamente recuperou a liberdade depois de uma ida ao Tribunal de Loulé, retomou as férias e aguarda calmamente o desfecho judicial do caso.

“Está tudo bem, dentro dos possíveis. Agora, só penso em esquecer o episódio e divertir-me pelo Algarve. Vou continuar a curtir as férias” – disse o ator da novela “Destinos Cruzados”, de 39 anos, à entrada para mais uma festa, na madrugada deste domingo, na discoteca Água Moments, em Vilamoura.

Alegando que “o processo está em andamento” e que ainda não foi formalmente “acusado de nada”, porque “estamos em férias judiciais”, Rodrigo não quis contar a sua versão da história, embora já tenha dito que não fez “nada de grave”.

Ao certo, sabe-se que o ator vinha de uma noite de diversão com um grupo de amigos, entre eles a atriz Rita Pereira, quando o automóvel que conduzia foi mandado parar por agentes da GNR.

Sujeito ao teste do balão, que deu resultado negativo, Rodrigo Menezes foi confrontado com o facto de não ter consigo a carta de condução e de transportar no veículo cinco pessoas, em vez das quatro permitidas no seu modelo automóvel.

Segundo os primeiros relatos feitos na Imprensa, que Rodrigo desmente, o ator não gostou de ter sido multado e, em vez de ter ido à sua vida, terá decidido dar umas voltinhas à rotunda onde a GNR tinha montado o seu dispositivo, com toda a malta a rir dentro do carro, o que foi interpretado pelas autoridades como uma atitude desrespeitosa.

Rodrigo foi mandado parar outra vez e, segundo a versão policial, tentou fugir, “quase atropelando” um dos agentes.

Nessa altura, o ator foi mesmo detido. Horas depois deslocou-se ao Tribunal de Loulé, donde acabou por sair em liberdade, mediante termo de identidade e residência.

O caso será julgado logo após a reabertura dos Tribunais – altura em que ficaremos a conhecer o desfecho desta “novela”.

Comentários