Sky Ferreira em entrevista

O céu é o limite para a cantora de origem portuguesa que privou com Michael Jackson

Tem nome de céu e jeito de menina. Tem no batom vermelho e no cabelo, habitualmente louro platinado, as suas imagens de marca. Mas é a voz que nos desperta os sentidos. As revistas da especialidade consideram-na uma das melhores revelações musicais dos últimos anos, no que toca à música electropop e de dança. Pela rádio já circulam «You’re Not the One» e «Night Time, My Time», ambos retirados do primeiro trabalho da cantora, dois temas que nos puxam para a dança, o som ideal para ver e ouvir no NOS Primavera Sound, o festival que se realizou em junho de 2014.

Sempre soube que queria ser cantora e foi graças à convivência, na infância, com Michael Jackson, de quem a avó era cabeleireira, que trabalhou melhor a sua voz. Da ascendência variada (portuguesa, nativo-americana e brasileira) ficou-lhe o «Oi», a única palavra que conhece em português, e a diversidade, tanto na música que ouvia, como na forma como vive. Com 21 anos (nasceu a 8 de julho de 1992), é seguramente uma das meninas bonitas da música, mas não se fica por aqui.

Já desfilou para algumas das marcas mais relevantes da moda, como Marc Jacobs, fez pequenas participações em filmes. Em 2014, estreia em mais um, «The Green Inferno». E é ainda a embaixadora dos produtos de styling da marca de produtos capilares Redken. Multitalentosa, Sky Ferreira sempre escreveu as suas próprias canções e com apenas 15 anos foi descoberta pela dupla de produtores suecos Bloodshy & Avant.

A partir daí, nada mais foi o mesmo. Agora, além de estar em turné a apresentar o álbum «Night Time, My Time», já se encontra a escrever novas canções. Porque a música é o seu mundo e este nunca para de rodar. Em entrevista exclusiva à Saber Viver, a intérprete fala sobre o seu mais recente trabalho e aponta pistas para o que gostaria de vir a fazer no futuro.

Tem ascendência portuguesa, nativo-americana e brasileira. De alguma maneira, isto influenciou a música que ouvia, quando era mais nova?

Nasci em Los Angeles e vivo em Nova Iorque. Sinto que sou todas estas nações, cresci a ouvir todo o tipo de música e a minha inspiração veio um pouco de todos os lados. Conhece alguns músicos portugueses ou brasileiros? Não, não estou familiarizada com nenhum.

Na capa do seu álbum «Night Time, My Time», aparece nua. Porquê essa opção?

Não acho que a nudez seja uma coisa assim tão relevante. Já é suficientemente duro ser mulher a tentar fazer música, mas não vou começar a tapar-me só para parecer mais credível, Vou assumir a minha sexualidade, porque tenho o direito de o fazer. O fotógrafo que fez essa sessão, Gasper Noel, é uma grande influência para mim e essa imagem é muito importante para mim.

«Night Time, My Time» é o seu primeiro álbum. Como é que o descreveria?

Tenho muito orgulho neste trabalho. Fazer música, neste momento, é mais sobre divertir-me, porque durante muito tempo senti muita pressão para fazer alguma coisa. Este álbum foi, por isso, mais uma diversão e fazer o que gosto. Mais do que a necessidade de ter de fazer um trabalho para editar.

Durante sua infância passou muito tempo com Michael Jackson. Ouviam música juntos? Considera que ele teve um impacto na sua carreira ou na sua música?

Ele ajudou-me a descobrir o que fazer com a minha voz, a descobrir as coisas que poderiam ajudar a melhorar a minha voz. E isso foi fantástico!

Quanto tinha 13 anos, começou a ter lições de canto lírico. Foi nessa altura que decidiu que queria ser cantora? Chegou a considerar tornar-se uma cantora lírica?

Sempre soube que queria ser cantora e fazer música. Foi sempre o que adorei fazer.

Aos 15 anos, os produtores suecos Bloodshy & Avant contactaram-na para trabalhar consigo. Quando começou a colocar as suas músicas no MySpace, pensou que uma coisa destas poderia acontecer?

Na verdade, nunca pensei nisso. Foi muito inesperado. Sempre soube que quequeria fazer o que gostava, que era música. Adoro o que faço e, nesse aspeto, sinto que tenho muita sorte.

Lembra-se do que sentiu na altura? Afinal, só tinha 15 anos...

Foi muito excitante e divertido, mas ao mesmo tempo foi demasiado. Eu era muito nova. Mas aprendi muito com as minhas experiências e isso fortaleceu-me. Estou muito feliz com o lugar onde estou agora.

Também trabalha como modelo. Gosta de o fazer? Usa alguma da experiência como modelo quando canta ou vice versa?

Cantar é a minha paixão. Gosto de fazer as outras coisas, porque também fazem parte da minha vida. Mas, agora, estou muito entusiasmada com o álbum e com a digressão. E estou muito entusiasmada com o facto de poder fazer mais música. Já estou a escrever novas canções e a colaborar com algumas pessoas.

Quais são as suas influências musicais?

Madonna, Alice Cooper, Prince, Cat Power, Britney Spears e os The Runaways têm sido grandes influências para mim. Ultimamente, tenho ouvido muito Fiona Apple.

Tem andado em turné e esteve em Portugal no NOS Primavera Sound, em junho de 2014, no Porto. O que é que recorda desse espetáculo?

Fiquei muito feliz por poder participar no Primavera Sound. Foi a minha primeira vez em Portugal e estava muito curiosa. Estava com muita vontade de dar um grande espetáculo.

É um ícone pop. Acha que as pessoas confundem a Sky pop star com a Sky uma rapariga como as outras? Como é que consegue equilibrar as duas?

Tento sempre ser honesta comigo e fazer aquilo que considero verdadeiro para mim. Não posso ser aquilo que os outros esperam de mim e aprendi que nunca conseguimos fazer toda a gente feliz.

É uma fã da internet. Qual é o seu site favorito?

Gosto do Tumblr...

Mas algumas pessoas têm escrito coisas muito desagradáveis nas suas páginas sociais. Como é que lida com isso?

Tento ser positiva. E aceitar que tudo acontece por uma razão. A vida tem-me atirado coisas, por vezes, duras de mais e eu tenho de saber lidar com elas. Mas continuo a seguir em frente e a fazer o que gosto, porque acho que é a única coisa que posso fazer… Seguir em frente!

Quanto à sua imagem, habitualmente, corta o cabelo duas vezes por ano. Prefere-o curto ou longo?

Já o cortei de formas tão diferentes que é difícil escolher. Todos os cortes são bons pelos motivos mais variados. Guido [Palau, consultor criativo da Redken] foi o último a fazer-me um bom corte e o meu cabelo está a crescer de forma mais saudável por causa disso. Sempre o usei muito comprido. Na realidade, quando o Guido o cortou bem curto, foi o meu primeiro corte de cabelo a sério. Agora, estou deixá-lo crescer outra vez.

Qual foi a coisa mais estranha que já fez ao cabelo? Se precisasse de o rapar para fazer um filme, por exemplo, seria capaz de o fazer?

Não. Mas já fiz realmente muita coisa...

Tem alguma inspiração quando corta ou pinta o seu cabelo?

Sigo a minha disposição, por isso, depende. O meu último corte foi com o Guido, como já disse. Cortei o cabelo inspirado nas cabeleiras que ele usou no desfi le de Marc Jacobs que eu fiz. Ele cortou-me a franja realmente curta, seguindo uma fotografi a do Kurt Cobain que eu lhe mostrei. Uma espécie de trendy mullet.

Relativamente à maquilhagem, habitualmente só usa batom vermelho, máscara de pestanas e eyeliner. É uma assinatura?

Yeah, só uso esses três produtos. O batom vermelho é mesmo uma assinatura. Faz com que eu não tenha de colocar muito mais maquilhagem e dá vida ao meu rosto.

No que toca à sua imagem, há alguma coisa que se recusaria a fazer?

Bem, até agora, já fiz muita coisa. Gosto de mudar e acho fantástico poder experimentar diferentes visuais. É divertido expressarmo-nos desta forma.

Quanto ao futuro, o que espera?

Estou muito feliz com o agora. Estou também entusiasmada com a possibilidade de fazer mais música. Vou entrar num filme, num papel secundário. É um pouco mais um cameo. É cool. É um filme de terror.

É embaixadora para os produtos de styling da Redken. Como é que se sente por ter sido convidada?

Gosto muito de trabalhar com a Redken, porque não tentam mudar-me. Percebem-me e entendem aquilo de que gosto. Por outro lado, permitiram-me descobrir uma série de novas coisas relacionadas com o cabelo, especialmente no que toca aos cuidados. O meu cabelo está muito melhor desde que estou com a redken. E posso cortar o cabelo com o Guido, o que é fantástico.

Quais são os seus produtos Redken preferidos?

Gosto do Two Smooth 03 e do Glass 01 Smoothing Serum. Gosto muito do Water Wax 03 para um efeito molhado e o Pillow Proof Blow Dry Express Primer é fantástico, porque ajuda o meu cabelo, que é muito grosso, a secar mais depressa. Sou uma fã dos óleos, como o Diamond Oil, porque o meu cabelo é naturalmente seco.

Qual é a sua rotina de beleza diária?

É muito simples. Uso Diamond Oil e o Argan-6 com regularidade. E gosto de ir ao estúdio Redken para uma boa secagem.

Qual é o seu verdadeiro estilo?

É uma mistura, vou pela minha disposição e também pela energia que quero despender nisso. Há dias em que estou disposta a arriscar mais do que noutros. Gosto de me sentir confortável. Não gosto de sentir que é a roupa que me usa a mim.

Qual é o melhor conselho que lhe podem dar?

Confiança! Acredita em ti próprio e estarás sempre bem.

Qual é a sua peça de roupa preferida?

As minhas botas pretas!

Qual é a peça perfeita do seu guarda-roupa?

O meu casaco de couro e os meus anéis.

Qual é o melhor anti-stresse?

A meditação transcendental. Comecei a fazê-la para controlar a minha ansiedade e as insónias. Mas ajudou-me, inclusive, a ultrapassar o medo de estar em palco.

Qual é a sua comida favorita?

Estou fã dos smoothies, porque é a única coisa que eu sei fazer.

Qual é, para si, o melhor filme?

Adorei «A Vida de Adèle». Vi-o umas quatro vezes!

Qual é a melhor lista de música para relaxar?

Eu ouço muita coisa, depende da minha disposição…

Costuma seguir as tendências de moda?

Não as sigo… Mas gosto das coleções de Saint Laurent…

Qual é a sua maquilhagem preferida?

Batom vermelho da YSL e Russian Red da MAC, eyeliner Liquid da YSL e máscara Maybelline Great Lash. É a melhor!

Quais são os seus ícones de estilo?

Kurt Cobain e Debbie Harry. Acho que a personalidade do Kurt Cobain era muito forte e ele tinha uma noção de estilo muito bom. E a Debbie Harry está bem, em qualquer altura, acerta sempre.

Qual a melhor sugestão de beleza?

Os óleos salvam o cabelo. Pelo menos, o meu!

Dê-nos uma dica essencial de beleza para as nossas leitoras…

Gosto muito do Pillow Proof Blow Dry. É muito bom para ajudar o meu cabelo a secar mais depressa.

Tem um local favorito?

Sim, o meu quarto. A minha casa!

Texto: Helena Ales Pereira

artigo do parceiro:

Comentários