«O equilíbrio surgiu com a aceitação do meu próprio corpo»

Em entrevista à revista Prevenir, a atriz Jessica Athayde fala do passado e do futuro. «Acho que estou a conseguir seguir a linha por onde quero ir enquanto pessoa», confidencia.

Sofre de ansiedade, uma situação que se agravou quando se viu envolvida em polémica depois de desfilar em biquíni para uma marca. Em entrevista à revista Prevenir, a atriz Jessica Athayde explica o que mudou a partir do momento em que deixou de ter problemas em assumir-se como é e fala dos benefícios do estilo de vida saudável que adotou. Veja também a galeria de imagens da produção fotográfica que fez para a capa da publicação.

Da alimentação ao autoconhecimento, a atriz acredita que ninguém muda sem dores de crescimento, mas fala com orgulho do estilo de vida que hoje segue. Mais saudável, sereno e consciente.

Conta no seu primeiro livro «Não Queiras Ser Perfeita», publicado por A Esfera dos Livros, que há mais de seis anos decidiu fazer as pazes com o seu corpo e reaprender tudo o que sabia sobre alimentação, exercício físico e saúde emocional. Como resume a filosofia de vida que adotou desde então?

Não sou fundamentalista em relação à alimentação. Acho que todos nós somos diferentes. Não critico quem quer comer apenas carne, quem come só peixe, quem é vegan e/ou quem é vegetariano. Eu gosto de todo o tipo de comida e tenho uma alimentação diversificada.

Como carne, apesar de não fazer parte da minha alimentação diária, até porque tem que ver com a minha preocupação com o ambiente. Mas não sou obcecada em relação a isso. Todos nós temos de encontrar aquilo que nos faz bem e que, acima de tudo, nos faz sentir bem.

O que mais a surpreendeu em relação ao que desde então tem vindo a perceber acerca de si e do seu corpo?

Percebi a importância que uma alimentação equilibrada tem para o meu corpo. Noto uma grande diferença no rendimento do meu dia, na energia que tenho, na forma como durmo. Se comer bem, se meditar, se fizer exercício e se andar mais calma, tenho mais frutos.

Foi difícil este processo de mudança?

Dores de crescimento existem sempre, apesar de estarmos constantemente a aprender e de podermos mudar seja em que idade for...

Como encontrou o equilíbrio entre cuidar de si sem querer ser perfeita?

O equilíbrio surgiu com a aceitação do meu próprio corpo e com a constatação de que há coisas que eu gosto demasiado para abdicar delas. Eu sei que, se deixar de comer certas coisas, vou perder peso e que, se beber mais água, vou ter uma pele melhor e não me vou sentir tão cansada. Mas há dias em que não me apetece só beber água e que me apetece comer um chocolate.

Existem muitas mulheres que sentem amor/ódio pelo seu peso, como a Jessica sentiu. O que lhes diria para alcançarem esse equilíbrio e bem-estar consigo mesmas?

Só se consegue fazer mudanças quando se sente que há alguma coisa que falta na nossa vida ou que algo realmente não está bem. A aprendizagem interior é essencial. Depois, a forma como superamos aquilo que queremos alterar varia de pessoa para pessoa. Há quem prefira fazer psicoterapia, experimentar terapias alternativas, ler sobre o assunto…

Trocou a junk food pelos superalimentos. Em que mais inovou na forma como se alimenta?

Descobri os sumos verdes, numa altura em que ainda não era moda usá-los para emagrecer. Ainda hoje, faço-os, não com o intuito de perder peso, mas sim para nutrir o meu corpo e hidratá-lo de uma forma mais forte e mais rápida. É mais fácil colocar vários alimentos dentro de uma liquidificadora do que prepará-los individualmente.

Veja na página seguinte: O tipo de exercício que Jessica Athayde faz

Comentários