Escapadinhas por Portugal

São vários os pretextos para planear uma viagem ou um passeio de descoberta a determinada região do país. Razões familiares, visita a amigos, curiosidade ou afazeres profissionais. Contudo, um dos melhores motivos para decidir que destino visitar pode ser a ocorrência de um evento ou de uma festividade importante e nem sempre nos lembramos disso.

São vários os pretextos para planear uma viagem ou um passeio de descoberta a determinada região do país. Razões familiares, visita a amigos, curiosidade ou afazeres profissionais. Contudo, um dos melhores motivos para decidir que destino visitar pode ser a ocorrência de um evento ou de uma festividade importante e nem sempre nos lembramos disso.

Sabia que em 2015 vão realizar-se duas grandiosas festas que apenas têm lugar de quatro em quatro anos, pelo menos? A Festa dos Tabuleiros vai encher de cor a cidade templária de Tomar, lá pelos inícios de julho. Mais a sul, no Alentejo, as gentes de Campo Maior vão dar vida às famosas Festas do Povo, na última semana de agosto.

Assistir a um campeonato de surf na Nazaré, na Ericeira ou em Peniche, ouvir cante alentejano numa taberna genuína no Alentejo profundo, escutar uma serenata noturna junto à Universidade de Coimbra (recém-classificada como Património Mundial da UNESCO), viver uma noite de fados em Alfama ou aplaudir um concerto na Casa da Música, são experiências com um sabor especial.

Cada região, cada cidade, tem as suas próprias vivências e o tempo certo, ou mais propício, para as viver. O Minho devoto das mil festividades, as festas pagãs de Trás-os-Montes (bem representadas pelos carnavalescos Caretos), o Douro das Amendoeiras em Flor, a beleza esmagadora da serra da Estrela de inverno e a exuberância gastronómica das Beiras; a dupla vocação atlântica e campestre do Oeste com epicentro em Óbidos, transformada em vila-ícone do turismo; a excelência vinícola e paisagística da península de Setúbal, de visita recomendável em especial por ocasião de um dos seus apetecíveis festivais gastronómicos; a imensidão do Alentejo onde os pretextos se multiplicam, da costa à planície; o Algarve, região-postal sem época baixa.

E por fim, Lisboa e Porto. As duas cidades mais vibrantes, competindo por atenção na imprensa internacional. Se Lisboa leva a dianteira pela longevidade, pelo “bom nome” criado e mantido ao longo de vários anos, a recente ascensão da segunda cidade portuguesa foi meteórica e emocionante.

Se vive em Lisboa, não deixe de fazer uma visita ao Porto e vá lá perceber o porquê de tanta agitação e do aumento exponencial de visitantes. A nova movida da Baixa não explica tudo mas é um excelente ponto de partida.

Se vive no Porto, há quanto tempo não vem a Lisboa? Uma das mais apetecíveis capitais europeias está à distância de três horas de comboio. Venha ver as novidades da restauração e da vida noturna, as exposições e espetáculos, a nova vida de bairros recém-recuperados para a cidade.

A ocasião faz a melhor viagem. Descubra por si, na altura certa.

Redação Lifecooler

www.cinco-estrelas.pt

artigo do parceiro:

Comentários