4 atitudes cool que também são low cost

Portugueses adaptam-se aos tempos modernos recuperando tradições antigas

A austeridade económica levou, nos últimos anos, muitos portugueses a rever comportamentos, de modo a adptarem-se a uma conjuntura que obrigou a mudanças e passou a exigir mais sacrifícios. Estas alterações estão a criar novas tendências e correntes, recuperando hábitos e tradições antigas, muitas delas low cost e amigas do ambiente. Estas são quatro das atitudes mais cool que têm visto o número de adeptos aumentar nos últimos meses:

- Estender a manta

Voltaram em força os piqueniques nos jardins públicos. Quer seja com os filhos e família ou com amigos, desde que haja bom tempo, haverá um bom motivo para pegar na manta e petiscar qualquer coisa em cima da relva ou fazer uma festa a custo zero. O Jardim da Estrela e o da Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa, os jardins do Parque Serralves no Porto e o Parque Marechal Carmona em Cascais são alguns locais onde dá vontade de estender a manta e ficar até o sol se ir embora.

- Horta em casa

Não precisa de ter um quintal. Basta uma varanda. Por mais pequena que seja pode improvisar um jardim vertical, com vasos, potes ou até garrafas de plástico (há muitas soluções na internet e nas nas revistas da especialidade, como é o caso da Jardins). Só tem que gostar de plantas, ter um pouco de paciência e não se esquecer de... regar! Esta é uma solução low cost e cada vez mais cool. E pode cultivar não só ervas aromáticas como também legumes, como o tomate-cherry e a alface.

- Trocar o ginásio pelas ruas

Nos últimos meses, correr pelas ruas passou a ser moda. Sobretudo nas grandes cidades, não faltam desportistas, que se organizam entre si, mobilizando um cada vez maior número de seguidores. Além dos benefícios inerentes à prática desportiva para a saúde, esta tendência tem ainda a vantagem de fomentar e estreitar relações sociais. Em maio de 2013, a Saber Viver promoveu uma corrida que juntou mais de 300 pessoas, em Lisboa.

- Vender ou comprar na net

Dispensam apresentações. Sites como o Custo Justo ou OLX, tanto um como outro são práticos, simples e gratuitos, substituíram o velho conceito de comprar e vender em feiras e mercados. É só tirar uma fotografia daquilo que quer vender e lançar no site. Há quem consiga vender no espaço de um abrir e fechar olhos. Há sapatos, bolsas e tantas outras coisas a quatro euros, mas também se pode encontrar umas colunas de som ou um piano a preços verdadeiramente simpáticos. É perder umas horas e deixar-se levar.

Texto: Ana Cunha Almeida com Luis Batista Gonçalves

artigo do parceiro:

Comentários