Viagens. Do que gostam os Baby Boomers e o que preferem os Millennials?

Os jovens portugueses conhecem já mais destinos que os indivíduos com mais de 50 anos e viajam mais dentro de Portugal, enquanto os viajantes mais velhos optam por outras cidades europeias.
créditos: Pixabay

Estas são algumas das conclusões do estudo “Viajar através de gerações” apresentado pela eDreams, uma das maiores agência de viagens online europeias, que contou com a participação de mais de 13.000 viajantes de todo o mundo. Este estudo analisou as principais diferenças nas tendências de viagem entre os jovens com idades entre os 18 e 29 anos, designados de “Millennials” e indivíduos com mais de 50 anos, os “Baby Boomers”.

A análise identifica ainda que a primeira viagem dos Baby Boomers portugueses foi, em média aos 16 anos, enquanto os Millenials nacionais iniciaram as suas viagens antes dos cinco anos de idade, três vezes mais cedo que os seus pais. Já em termos europeus, para os Baby Boomers iniciaram as suas viagens aos 19 anos e os Millenials aos 9, em ambos os casos mais tarde que os viajantes lusos.

E em média, os Baby Boomers despendem mais tempo nas suas viagens comparando com os Millennials, sendo que os primeiros admitem passar mais de 5,7 horas a deslocar-se para o destino e os segundos apenas 5,06 horas. Já quando comparado com a década passada, verifica-se uma tendência decrescente no tempo médio de viagem. Os viajantes mais jovens gastam menos 18% do tempo em viagem, enquanto os turistas mais velhos afirmam que o tempo de viagem registou um decréscimo significativo de 22%.

Turistas portugueses optam por conhecer melhor o seu país

No que respeita às viagens em território nacional, também se verifica um crescimento considerável, o que revela a preocupação dos turistas nacionais em conhecer as diferentes cidades e culturas do seu País.

Segundo os dados do estudo, 70% dos Baby Boomers admite ter viajado em criança em território continental, face a 77% dos Millennials, com estes últimos a manter a tendência de viagem em território nacional, enquanto os turistas com idades superiores a 50 anos, denominados de Baby Boomers, optam por fazer viagens mais frequentes para outras cidades no Continente Europeu.

Meios de transporte

No que respeita ao veículo de transporte, para os Baby Boomers o carro é o veículo de eleição, seguido do avião. Já os meios mais tradicionais, como o comboio e o autocarro, são os meios de transporte menos utilizados pelos inquiridos.

Quanto aos Millennials, as preferências no que respeita aos meios de transporte utilizado para a realização das viagens revela-se diferente, com a grande maioria dos inquiridos a admitir que há dez anos a escolha recaia no seu próprio carro, o que faz com que se verifique uma maior tendência para viagens em território nacional, enquanto atualmente, 95% dos utilizadores admite viajar mais de avião e 33% revela viajar mais de comboio. Já para 29% dos jovens, as viagens de autocarro revelam-se cada vez menos prováveis.

Agências de viagem online

Os avanços tecnológicos ocorridos ao longo da última década têm vindo a fazer com que a reserva de viagens pelos canais tradicionais tenha diminuído significativamente, o que faz com que as agências online ganhem cada vez mais terreno. Há 10 anos, cerca de 44% dos inquiridos afirmavam reservar as suas férias em agências de viagens tradicionais, enquanto atualmente, apenas 25% dos inquiridos utiliza esse método.

As reservas realizadas através de computador, nas agências de viagens online, aumentaram nos jovens turistas com menos de 30 anos na ordem dos 73% e 67% para os portugueses com mais de 50 anos de idade. As reservas realizadas através das aplicações móveis seguiram a mesma tendência, com um aumento de 70% e 55% para Millennials e Baby Boomers respetivamente.

Por outro lado, os Baby Boomers nacionais, gastam cerca de 20% do seu salário em viagens, enquanto os Millenials apenas despendem 17%. Atualmente, o valor médio do salário gasto em férias diminuiu 11% para os Millenials e, por outro lado, aumentou 6% para os Baby Boomers.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários