Maioria dos portugueses escolheu o mesmo destino de férias e não gastou mais de 500 euros

Um estudo de mercado agora revelado mostra que mais de 75% dos portugueses não gastou mais do que 500 euros com estadia nestas férias de verão.

Do total de inquiridos, 31% planearam as suas férias nos meses de abril e maio, enquanto 28% fez todo o planeamento logo no início do ano, revela o estudo de mercado encomendado pela Odisseias.

Quanto às preferências em relação à altura do ano ideal para ir de férias, 36% marcou as suas férias para o mês de agosto, 24% para julho e os restantes dividem-se por maio, junho, setembro e outubro.

Em termos de destinos preferidos, aproveitar as férias em Portugal foi opção de 87% das pessoas. Nas regiões preferidas surge o Algarve com 36%, seguido do Alentejo com 12%. A maioria dos portugueses optou ainda por passar as suas férias em hotel (46%) ou apartamento (31%). Os parques de Campismo, bungalows e turismos rurais reúnem as restantes opções apresentadas pelos inquiridos.

Veja aindaSó há duas praias em Portugal onde se pode ir com o cão

Conclui-se ainda que mais de 63% das pessoas já marcaram as suas férias recorrendo a vouchers e 74% pondera voltar a utilizar este método de marcação de férias no ano de 2018.

"Com o inquérito que realizámos conseguimos apurar que a maioria dos portugueses começou a planear as suas férias em abril e maio, existindo cada vez mais tempo de pesquisa, análise e comparação de preços. Os portugueses querem no seu tempo de férias conciliar os melhores preços com as melhores experiências. E a verdade é que 81% das pessoas já faz toda a pesquisa e marcação através da internet", comentou Francisco Costa, administrador da Odisseias.

O estudo contou com a participação de uma amostra representativa de mais de 850 inquéritos feitos a indivíduos de ambos os sexos em Portugal, com idades entre os 18 e os 65 anos.

Veja outras conclusões na infografia disponibilizada em baixo

Maioria dos portugueses escolheu o mesmo destino de férias e não gastou mais de 500 euros

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários