Família norueguesa vive em casa com cúpula geodésica

Para viver em contacto com a natureza, os Hjertefolger mudaram-se para uma região isolada do Círculo Ártico. Residem há três anos numa habitação de madeira, que até tem uma horta e um jardim.

A culpa pode ser do nome. Hjertefolger significa, em holandês, «seguir o coração» e foi precisamente isso que a família Hjertefolger fez quando trocou o conforto das cidades modernas pelo isolamento idílico e (quase) paradisíaco de uma das mais belas regiões do Círculo Ártico, em dezembro de 2013. Uma decisão da qual não se arrependem. Muito pelo contrário! «Quase que consigo ouvir o silêncio», disse Ingrid Hjertefolger, a matriarca da família, à Inhabitat.

Antes de se mudar, com o marido e os quatro filhos, para a ilha de Sandhornoya, cerca de 1.000 quilómetros a norte de Oslo, capital da Noruega, mandaram construir uma casa com uma cúpula geodésica, um tipo de habitação que tem vindo a ganhar adeptos no norte da Europa. Com uma altura de 7,62 metros, a edificação está protegida por uma cobertura parcialmente esférica elaborada a partir de uma rede de triângulos.

Além de madeira, a família privilegiou o uso de materiais orgânicos, como o barro, a areia e a água para criar uma estrutura que os protege do frio, da neve e dos fortes ventos que assolam a região e que também lhes permite manter uma pequena horta e uma área ajardinada. «Mal se entra nesta casa, sente-se que é diferente de todas as outras. Tem uma atmosfera única e uma tranquilidade absoluta», garantiu Ingrid Hjertefolger à publicação.

Texto: Luis Batista Gonçalves

artigo do parceiro:

Comentários