Saiba escolher as suas trepadeiras

São ideais para pérgulas e para áreas ajardinadas mas nem todas se adequam a todos os espaços. Descubra quais são as melhores para o seu jardim

A cor e o aroma são fatores muito atrativos nas trepadeiras, plantas que mudam a fisionomia de qualquer área ajardinada. É fascinante uma pérgula perfumada de cor lilás de glicínias, uma parede de um cor de rosa exuberante de buganvílias ou uma vinha-virgem com o seu tom avermelhado de outono. Conceber e planear um jardim é ter o privilégio de podermos interagir com plantas e jogar com o seu ciclo de vida e, desta forma, o jardim permanecer por muitos anos e renovar-se em cada estação do ano. É um processo dinâmico que varia com os ritmos de crescimento das plantas e com as estações do ano.

O material vegetal é, por excelência, o principal componente de um espaço verde e devemos ter o cuidado de optar por vegetação bem adaptada às condições da região, bem como às funções que se pretendem. A vantagem da utilização das trepadeiras permite utilizar a vegetação e benefi ciar das suas funções estéticas, funcionais e ecológicas quer em pequenos jardins quer em espaços de maiores dimensões. Com o intuito de criar profundidade e tapar ou realçar vistas, podemos combinar o seu porte, as suas cores e texturas.

Algumas trepadeiras também desempenham uma importante função como plantas de revestimento como por exemplo, a hera. As trepadeiras são plantas lenhosas ou herbáceas, de ramos flexíveis, de grande comprimento e providas geralmente de gavinhas, acúleos ou pequenas ventosas, o que lhes permite agarrarem-se e desenvolverem-se. Por vezes, também precisam do recurso a estruturas de apoio (como é o caso de treliças). Podem ser de folha caduca ou persistente, apresentam diferentes cores e épocas de floração.

As variedades botânicas que deve privilegiar

As trepadeiras caracterizam-se pelos seus variados tons de coloração de folha que muitas vezes muda com as estações do ano, como é o caso da vinha-virgem que, no outono, antes da queda da folha, adquire um tom avermelhado muito bonito. Na seleção da trepadeira deve ter-se em atenção o objetivo e função que se pretende e conjugar as suas exigências edafo-climáticas com as suas características morfológicas como a dimensão, o volume, a floração e o tipo de frutificação.

Em geral, o período de floração é curto, o que releva também o contributo cromático da folhagem (desde os vários tons de verde, aos amarelos, vermelhos e castanhos), do aroma e da frutificação. A cor e o aroma são um dos fatores mais atrativos pois ninguém fica indiferente a uma pérgula perfumada com cor lilás de glicínias, a uma parede de um cor de rosa exuberante de buganvílias ou a uma latada de vinha-virgem com um tom avermelhado de outono.

De acordo com a exposição solar, o regime de folha (caduco ou persistente) e a cor e época de floração, aconselhamos as seguintes espécies:

- Plantas com ciclo de vida perene

Espécies com preferência por exposição a sul e oeste, de folha persistente. A lista inclui Bignonia unguis-cati (Bignoniaceae) com flor amarela, Bougainvillea glabra (Nyctaginaceae), com flor cor de rosa e roxa, Jasminum fruticans (Oleaceae) com flor amarela, Jasminum mesnyi (Oleaceae) com flor amarela, Passiflora caerulea (Passifloraceae) com flor azul, Passiflora edulis (Passifloraceae) com flor azul (maracujá) , Plumbago capensis (Plumbaginaceae) com flor azul, Senecio angulatus (Compositae) com flor amarela e Tecoma capensis (Bignoniaceae ) com flor cor de laranja.

Veja na página seguinte: As plantas de folha caduca e de folha persistente que os especialistas recomendam

Comentários