No reino dos fungos

Saiba quais são os cogumelos mais usados nos arranjos florais

Desde sempre que os cogumelos coabitam
com o Homem e várias foram as suas conotações
ao longo dos tempos.

São parte do nosso imaginário
infantil mas depressa se tornam seres misteriosos
aos olhos de quem pouco os conhece.

À medida que
o conhecimento sobre estes seres intrigantes foi progredindo,
novas aplicações passaram a ser utilizadas.


Anteriormente classificados como plantas, os
cogumelos são na verdade fungos, por terem características
muito próprias, não possuindo clorofila e
por isso não sendo capazes de produzir a sua própria
fonte de alimento. De entre as 70 mil espécies de fungos conhecidas,
cerca de 10 mil produzem cogumelos, embora
apenas algumas dezenas sejam comestíveis.

Numa
abordagem simples, os cogumelos não são mais do
que os frutos de um fungo. São por isso estruturas
onde se produzem os esporos, que podem comparar-se com as sementes das plantas, num sentido
lato. Assim, quando colhemos um cogumelo, estamos apenas a colher um fruto, com milhões de
sementes microscópicas, os esporos.

Os cogumelos podem ter formas bizarras e cores
estonteantes e uma das suas aplicações passa pelos
efeitos decorativos que algumas espécies possuem,
sendo utilizadas como apliques florais.

Alguns
cogumelos desidratados são colocados em arranjos,
como é o caso do Ganoderma lucidum, comercialmente
conhecido por lingzhi ou reishi, que já se vê
à venda em floristas. Este cogumelo invulgar, que
cresce naturalmente em troncos de madeira mortos,
é também utilizado há séculos pelos chineses e
japoneses nas medicinas alternativas, tendo vindo a
ser estudados cada vez mais.

São, aliás, várias as espécies com interesse nesta
área, como o caso do shiitake (Lentinula edodes),
maitake (Grifola frondosa), entre outras variedades.
Uma outra utilização é a dos pigmentos para
tinturaria, extraídos do cogumelo Pisolitus tinctorius,
que na gíria é chamado de bufa de Lobo, de onde
se utilizam os tons castanho/dourados.

Cogumelo
este muito frequente nas florestas portuguesas e
que também protege as plantas por estabelecer
simbioses entre as suas raízes.

Veja na página seguinte: As espécies mais utilizadas na cozinha

Por último, não poderíamos descurar a aplicação
dos cogumelos na gastronomia, onde são utilizadas
espécies de grande categoria como os boletos
(Boletus edulis), as morquelas (Morchella conica),
as trufas (Tuber melanosporum) e a amanita dos
césares (Amanita caesarea), que servem verdadeiras
iguarias em pratos salgados.

Há ainda espécies
que se prestam bem à elaboração de sobremesas e
compotas, pelos seus aromas florais como os Cantarelos
(Cantharellus cibarius, Cantarellus lutescens), ou
mesmo anisados (Clitocybe odora).

No entanto, as suas aplicações culinárias não
se esgotam nestes preparados, pois os cogumelos são também
utilizados como excelentes aromatizantes de azeites,
vinagres e podem algumas espécies, depois de
desidratadas e trituradas, serem utilizadas como
especiarias, como o caso das trompetas dos mortos
(Craterellus cornucopioides), com o seu aspecto muito negro.

Texto: Marta Ferreira

artigo do parceiro:

Comentários