Poesia à janela do Chiado Factory

A poesia de Fernando Pessoa - e de outros ilustres emissários de brilhantes palavras - vai ser (re)vista e tocada sobre Lisboa. É a primeira parte de um advento envolvido de expectativa e acompanhado por muitas surpresas e animação

O primeiro andar do espaço Chiado Factory vai servir já no próximo domingo de cenário ao início de um advento que se espera único - justamente no topo do Chiado, em Lisboa.

Dia 30 de novembro, a partir das 14:00 (o espaço abre antes, pelas 10:00), vão ser oferecidas castanhas e vinho quente a todos os clientes da Chiado Factory que poderão ainda (assim como todos os ‹‹domingueiros›› e transeuntes que se queiram juntar) usufruir de um concerto ímpar - nas janelas do espaço.

Às 17:00 do mesmo dia, o projecto “Poesia à Janela”, de André Gago (voz) e Tiago Inuit (guitarra eléctrica) sobe as escadas da Chiado Factory para interpretar um improviso musical que estabelece uma sonoridade improvável (porém imaginável)
sobre os textos de alguns dos mais conceituados poetas de sempre da literatura portuguesa.

Os Domingos já não têm de ser monótonos (nem iguais). Na Chiado Factory todos vão poder celebrar a época natalícia - do frio, das compras e da família - num formato original, com direito a degustação de iguarias doces e salgadas (especial cortesia da Nostri Gusti) e, sobretudo, sem ter de sair do local mais "quente" de Lisboa.

A abertura de portas na Chiado Factory estende-se a partir de agora, e até ao fim deste ano, aos sete dias da semana, oferecendo aos visitantes uma programação arrojada e impelida por pequenos eventos que predizem saciar almas e corações.

É para meninas e meninos, casais, solteiros e famílias. É para os portugueses (e para turistas também). É para carteiras abonadas e para bolsas mais despejadas. Chiado Factory é uma fábrica de conceito muito especial - de todos, e para toda a gente.

artigo do parceiro: Susana Krauss

Comentários