Unidade: o dom de Peixes

Conhece a filosofia hindu chamada Advaita Vedanta, segundo a qual toda a separação é ilusão?

Advaita significa, literalmente, “não-dual” e refere-se ao facto de que a realidade última é a unidade fundamental de tudo quanto existe. Esta visão traduz a consciência de que tudo é Um – e que a aparente separação é uma ilusão dos sentidos, um produto da mente que organiza as experiências a partir das formas e das categorias do espaço e do tempo, produzindo a crença – ilusória, para a visão mística e mágica da vida que a energia de Peixes convida a desenvolver – de que estamos separados: entre nós, e uns dos outros.

A diferença, a separação, a distinção, a existência independente é constatável e observável pelos orgãos dos sentidos e pela natureza separadora da mente: branco é diferente de preto, ser e não-ser são opostos, eu sou diferente e estou separado de ti, o bem e o mal não se confundem, uma coisa é o dentro e outra coisa é o fora, eu sou diferente deste cão e daquele coelho e daquelas pessoas, e entre todos estes princípios diferentes existe uma distância, uma separação, um espaço vazio em que cada coisa ocupa o seu próprio lugar e existe separadamente de todas as outras.

Mas de um certo ponto de vista, tudo isso é ilusório. “Tat twam asi”, ensina a mais velha filosofia hindu: tu és isso. Quando olhares para uma árvore, recorda que és árvore também. Quando olhares para um prédio, recorda que és prédio. Quando olhares para fora, recorda que tu és também isso que observas fora de ti. Tudo é, na essência, uma única e a mesma coisa: a Realidade Última que a tudo dá forma, que tudo vivifica, e na qual tudo e todos temos a nossa existência e nos movemos. Tudo é Um, e todo o sofrimento, medo, desejo, nascem da amnésia cósmica desta unidade fundamental de toda a Vida.

Veja na próxima página a continuação do artigo

Comentários