Telepatia – Uma comunicação além dos 5 sentidos.

Felizmente a telepatia hoje é um fenómeno conhecido e falado naturalmente entre as pessoas e pacificamente aceito pela ciência convencional.

É comum escutarmos acontecer, por exemplo, o casal de namorados quando um já sabe que é o outro no telefone que está a tocar; o marido e a esposa, quando um pensa que precisa comprar algo e o outro chega em casa a trazer o mesmo produto. Partindo do princípio de que coincidências e acasos não existem, até esta simples frase tem uma explicação e uma lógica de ser.

A Telepatia vem do grego, tele, "distância" e patheia, "sentir ou sentimento", é portanto, definida na parapsicologia como a habilidade de adquirir informação acerca dos pensamentos, sentimentos ou actividades de outra pessoa, sem o uso de ferramentas tais como a linguagem corporal ou sinais.

O termo foi usado pela primeira vez em 1882 pelo investigador psíquico Fredric W. H. Myers, fundador da Society for Psychical Research (Sociedade de Investigação Psíquica). A telepatia é considerada uma forma de percepção extra-sensorial e é frequentemente relacionada a vários fenómenos paranormais tais como premonição ou precognição, clarividência e empatia.

Diferente da maioria das outras ocorrências aparentemente sobrenaturais, a menção da telepatia é bastante comum em textos históricos. Na Bíblia, por exemplo, alguns profetas são descritos como tendo a habilidade de ver o futuro (precognição), ou conhecer segredos íntimos das pessoas sem que as mesmas os tenham dito. Na Índia também existem diversos textos a falar sobre a telepatia como uma sidhi, adquirida pela prática do ioga etc. Mas o conceito de receber e enviar mensagens entre pessoas parece ser algo relativamente moderno. Neste conceito existe um emissor e um ou vários receptores.

Veja na próxima página a continuação do artigo.

O que procura?

Comentários