A Dor Como Caminho e Oportunidade

As alturas de maior sofrimento na vida são as maiores oportunidade para o crescimento interior - isto nos ensinam os mestres da sabedoria arcana ancestral.

Quando o homem atravessa uma crise no seu percurso de vida, encontra-se consigo próprio e com aquilo que criou para si. E onde entra a dor? A dor é ilusão de separação. A dor é a atenção no caminho e a negação do caminhante. A dor sempre esteve aí, tal como o está a beatitude infinita. E no entanto, para a consciência do homem são estados impermanentes. Melhor, intermitentes - como a luz e a sua falta numa lâmpada que pisca.

Assim como a beatitude nasce da lembrança - ainda que momentânea - da nossa natureza divina, a dor surge do esquecimento que a vida humana é o trilho da divisão. A dor só emerge quando tem missão a cumprir, lembrando ao homem que se lembre de si próprio. Lembrando ao homem que ele é quem olha, mas quem deve ser visto também. Lembrando-o de que só pode conhecer na medida em que se conhecer. A dor convida o caminhante a parar a marcha sôfrega, a retirar os olhos da estrada e olhar para si próprio.

Veja a continuação do artigo na próxima página

O que procura?

Comentários