Viva o aqui e o agora… agora!

Torne-se mindful e distancie-se dos problemas e das dificuldades do dia a dia

Quantas vezes se deixa apanhar por pensamentos, planos, preocupações e memórias que o impedem de aproveitar o dia e viver o momento presente passando pela vida sem estar realmente nela? Com que frequência se sente como se ligasse o piloto automático e o corpo se mexesse por ele nas várias situações, enquanto a cabeça está noutro lugar?
Aprenda a focar a sua atenção no momento presente, sem se perder no passado ou no futuro. Viva simplesmente o aqui e o agora... agora! Fique Mindfull!

Não existem instrumentos mágicos ou respostas fáceis para lidar com o stress, a ansiedade ou a depressão. Muitas pessoas tentam evitar os seus impactos criando muros à sua volta para não sentirem as suas experiências de vida. Outras procuram anestesiar-se de diversas formas para tentarem escapar. “As pessoas procuram estas atitudes para lidarem com o que as perturba e para poderem reduzir o desconforto causado por pensamentos e comportamentos perturbadores”, explica Nuno Mendes Duarte, diretor clínico da Oficina de Psicologia onde já se efetuaram nove edições do Programa ExperiMente Mindfulness.

A grande adesão demonstra o interesse e curiosidade relativamente a esta abordagem. “Além destes grupos, mais formais nos seus procedimentos, na prática clínica individual nota-se um interesse crescente na integração das práticas de mindfulness em processos psicoterapêuticos como trabalho complementar na manutenção da melhoria”, acrescenta o psicólogo.

O mindfulness é destinado a todas as idades. Os adultos que procuram estas práticas movem-se fundamentalmente por interesses específicos em abordagens inovadoras que lhes permitam práticas de meditação, focadas na melhoria dos sintomas a longo prazo.

Já os programas específicos para crianças focalizam-se na melhoraria dos processos atencionais e comportamentais, “permitindo através de um processo de grupo ou individual, uma adaptação das práticas dirigindo-as especificamente às características da idade em causa”.

Mas o que é, afinal, o mindfulness e em que é que se baseia?

“Mindfulness significa prestar atenção a um determinado objecto, com intenção, no momento presente e de uma forma não avaliativa. Cultiva-se esta atitude dirigindo a nossa atenção, de forma intencional, a coisas às quais normalmente não dedicamos muito tempo. É uma abordagem sistemática para que se possam desenvolver novas formas de controlo e sabedoria nas nossas vidas, baseada nas nossas capacidades internas para relaxarmos, dedicarmos a atenção, consciência e intuição ao que ocorre ao longo do dia”, explica o especialista.

O Mindfulness surgiu há mais de 2.500 anos como um dos oito elementos do Nobre Caminho definido por Buda para o fim do sofrimento. O oitavo elemento chamado de samadhi, que consiste em meditar ou concentrar-se da forma correta. “Neste momento, o acesso mais generalizado à ideia de Mindfulness está relacionado com o desenvolvimento de uma prática ocidentalizada, não religiosa, sem autor identificado”, diz Nuno Mendes Duarte.

“No entanto, um dos mais proeminentes clínicos a iniciar trabalho nesta área foi o médico Jon Kabat-Zinn, em 1979 com a abertura do Centro de Mindfulness na Clinica de Redução de Stress, depois de ter conhecido um monge zen Budista. Outros autores foram desenvolvendo conhecimento e integração das práticas orientais, para uma visão sistematizada de consciência, atenção e tratamento”, acrescenta ainda.

Saiba mais na próxima página

O que procura?

Comentários