Semente, depois do solstício de verão

Este Verão chegou feroz na sua mensagem e intenção de acordar o guerreiro que há em cada um de nós.

Depois do Solstício de Verão, a Celebração da Colheita, do Fruto que somos e originamos (e das suas duras e exigentes lições ainda a acontecerem e a serem processadas e integradas), estamos já na Lunação da Presença, a Lua da Tartaruga, segundo o calendário natural. Uma lunação (período de 28 dias) que nos desafia e trabalha sobre a questão: "Como aumentar a minha alegria e o meu amor?"

Talvez se soubermos mais um pouco sobre este animal tão sábio e tão antigo, consigamos perceber melhor. Desafio-vos a saber mais.

Este Verão chegou feroz na sua mensagem e intenção de acordar o guerreiro que há em cada um de nós. Tocou-nos bem fundo, queimou-nos ilusões e escancarou Verdades bem Antigas e Imprescindíveis à nossa sobrevivência como Seres Humanos Vivos neste Planeta de Vida e Cor.

É preciso olharmos para nós mesmos e ver o fruto que nos tornámos, como amadurecemos, reflectir. Ver os frutos que originámos e que frutos se originarão daí. Com que sabor, com que qualidade. Que frutos nas nossas relações, no nosso trabalho ou serviço, nos nossos sonhos, na nossa vida. Como família, comunidade e humanidade.

A Lua exigirá Presença de Corpo, Mente e Espírito frente aos eventos e emoções. Tocando ferozmente bem dentro, bem nas nossas prioridades, emoções, sonhos, sentimentos, questionamentos e por fim nas acções necessárias a nós para que sejamos mais abundantes em Amor, Verdade, Criatividade e Alegria.

Que seja uma Forte e Corajosa Lunação para todos nós.

Segundo o calendário Natural Maia, no final desta lunação termina um ciclo, termina um anel de tempo, e é iniciado outro. O tempo não existe como o pensamos, o tempo é arte, ou seja, curto ou longo, rápido ou lento, consoante a forma como vivemos cada momento. Portanto, a sua qualidade depende da quantidade de qualidade por momento ;) O tempo é como um infinito de espirais que por sua vez as espirais são um infinito de anéis.

Entre o fim e o começo de um anel de tempo existe o dia fora do tempo. Tempo esse para reflectir, integrar, libertar, intuir, celebrar, potencializar e nos conectarmos com a Vida, com a Natureza, com o que acreditamos, com o que nos alimenta a Alma. Este Dia Fora do Tempo convida-nos a sair das estruturas e a entrar na abundância da libertação. Cada um ao seu jeito e segundo a sua natureza, em Gratidão e Criatividade.

O que procura?

Comentários