Qual o Espírito que alimentas… o espírito vivo ou o espírito morto?

«Quem conhece a vida íntima do homem é o Espírito…só o Espírito de Deus conhece o que está em Deus. » -Coríntios: 2:11

Introdução:
As cartas a um “Amigo Professor" têm lugar quando me torno uno com a minha parte sagrada, a essência divina que fala através do meu Guia Lucas, uma área imaculada da mente que está para além da razão do homem comum. Quando permito este estado de consciência, vou ao encontro do divino que habita em mim, é quando as minhas “asas” retomam a sua verdadeira força, é como se saísse do casulo do silêncio, para conversar com o meu “Amigo Professor”. Carlos Campos

Meu Amigo Professor à distância do tempo que não existe, as tuas palavras ainda permeiam todo o meu ser, como se a minha identidade fosse somente sabedoria. Tu nos explicavas a essência da vida, e só isso bastava para que se revelasse em nós o verdadeiro ser.

Pergunto muitas vezes a mim mesmo, porque quis vir novamente a este espaço temporário!

Bem me avisaste que o homem ainda não tinha sublimado o espírito como essência de vida, ainda tinha compreendido a sua verdadeira natureza.

Quem entende o espírito vivo do homem e o aceita?

Eu digo vivo porque o homem insiste em mantê-lo morto.

É bem mais fácil alimentar um espírito morto do que um espírito vivo. Porque um espírito morto molda-se à razão mesquinha do homem, enquanto que o espírito vivo é livre não nasceu para ser domado, não se prende a dogmas filosóficos vazios de conteúdo.

Veja na próxima página a continuação do artigo..

O que procura?

Comentários