Junho, o mês do solstício

Dia 21 de Junho celebra-se o dia mais longo do ano. O Sol atinge o seu poder máximo e marca o ponto de viragem, a energia muda.

Junho ou Junius de Juno, o casamento entre opostos, a fusão, a prosperidade, a abundância.

Tudo parece estar em tensão quase absoluta, os ânimos são exaltados, seja para o dito "bem" seja para o dito "mau". Setas cruzam os céus fervorosamente recheadas de crenças, ideologias, valores, opiniões e julgamentos. Simplificando, (sem nomear todos os planetas que nos estão a influenciar e a trabalhar nos seus ângulos, posições e relações), a dança nos céus que estamos a dançar na Terra está de momento a escancarar todas as nossas gavetinhas ou gavetões interiores, a expor tudo o que lá está, quer queiramos ver ou não, está escancarado e é preciso escolher com muita verdade, calma e alma o que queremos fazer com o que temos dentro. Queremos desarrumar para arrumar as gavetas? Torna-las mais leves ou pesadas? Queremos mesmo essas gavetas? Como foram criadas? Queremos limpá-las ou queimá-las? Acrescentam-nos ou pesam-nos? Trancamos ou manipulamos (achamos nós) essas gavetas? Usamos o seu conteúdo? E como? Genuínamente? Reciclamos o seu conteúdo?

Tudo o que possa estar escondido e não deva, será exposto, seja para o dito “bom”, seja para o dito ”mau” ;)

Uma dança profundamente exigente dentro e fora, para com a verdade e o respeito que temos ou não na nossa relação para connosco, em todas as nossas relações para com os outros e na nossa relação para com O Todo.

Creio que tudo ficará mais fluído e surpreendentemente mais liberto e criativo, gradualmente e a um ritmo lento, após o Solstício de Verão. Desafios terrenos maravilhosamente bafejados tão assertivamente pelas fases alquímicas da Natureza.

O que procura?

Comentários