Achas que o mundo é um caos? Acorda!

Não é fácil abrir mão da nossa ilusão. Dentro dela tudo é perfeito ao contrário do mundo lá fora que, por vezes, parece violento demais para o que possamos suportar.

São comuns as emoções que as pessoas trazem para as consultas:
Frustração
Raiva
Culpa
Medo
Solidão
Abandono
Tristeza

Há muitos anos que percebi, não só por observação, mas também na minha própria vida, que não são propriamente os eventos do mundo que despoletam essas emoções tão densas, mas sim a maneira como lidamos com os eventos.
Não é difícil encontrar reações diferentes para o mesmo evento, por exemplo, um despedimento para uma pessoa pode ser encarado como o fim do mundo que irá gerar revolta, injustiça e pânico. Para outra, com o mesmo grau de responsabilidades, pode ser sentido como uma libertação e a maravilhosa oportunidade e sinal divino de que chegou o tempo de seguir um projecto pessoal e dar-lhe vida na forma de um negócio próprio.

Para explicar este fenômeno e perceber o que difere de cada um, temos que ir à raiz da nossa árvore emocional e tomar consciência do estado em que estão as nossas fundações.

Será que a nossa árvore tem uma raíz de medo ou uma raiz de amor?

Será que acreditamos que a terra onde a nossa árvore se alimenta é árida, seca, sem água ou nutrientes ou pelo contrário confiamos que ela é amorosamente sustentada pela Mãe Natureza e pelo Pai Céu e terá sempre as melhores condições para crescer apoiada, forte e amada?

Por observação, vejo que a maioria vive inconsciente da sua própria árvore e pior ainda, da responsabilidade que têm pelo estado de saúde dela. Logo não é de admirar que se sintam sem “chão”, sem força, sem “ânimo” = Vida, e com o seu mundo emocional em total desequilíbrio, cheio de emoções reprimidas, vivendo em permanente medo da próxima tempestade.

O denominador comum de todas estas pessoas é uma visão extremamente idealista ou perfeccionista da realidade, cheia de expectativas irrealistas e fantasiosas, que depois, obviamente com o tempo, apenas gera embates violentos com a realidade na forma de desilusão, frustração, raiva e sentimento de injustiça.

Enquanto esta visão falsa e distorcida da realidade não for posta em causa por algum evento da vida, estas pessoas vivem em negação, escondidas numa bolha ilusória, tentando recriar dentro dela uma fantasiosa vida perfeita, até ao dia em que a Vida vem rebentar a bolha.

O que procura?

Comentários