A sociedade moderna e a solidão

Nascem todos os dias companhias de plástico, amigos virtuais, fazem das pessoas objetos sem vida por vezes por puro oportunismo, mas nada consegue preencher o vazio da Alma.

A sociedade moderna é caracterizada pelo individualismo, que condiciona a ter uma vida mais acelerada, o tempo parece curto para tudo o que se quer fazer, e cada vez mais o ser humano está só nas esferas individuais, porque na verdade a procura por algo para preencher um vazio, é o que nos faz correr em tantas direções, de algo muitas vezes idealizado.

O sistema económico tem contribuído imenso para está procura desenfreada, porque o ser humano procura justiça, segurança, educação e saúde. O pensamento séptico, ou seja, não acredita na força coletiva leva a tentação de querer encontrar coisas fáceis e respostas rápidas no mundo moderno, estamos sozinhos em nós próprios! Deve-se á individualização consequentemente a solidão instala-se. As pessoas nunca tiverem tanto e no entanto nunca estiveram tão sós.

Contudo quando se observa os meios de comunicação estes estão impregnados pelo individualismo e o culto do próprio eu. Em que a sociedade moderna está cheia de contradições, é solitária está longe do fim, não existe espaço para se dedicar algo vital como o relacionamento interpessoal, cada vez mais individualizada passa a noção que estamos sozinhos e incompletos.

Nascem todos os dias companhias de plástico, amigos virtuais, fazem das pessoas objetos sem vida por vezes por puro oportunismo, mas nada consegue preencher o vazio da Alma.

A formula mágica para resolver este dilema ainda não chegou, cabe ao ser humano criar novas condições, tal como aprender e sentir que estes comportamentos e padrões acabam por ser nocivos e destrutivos para o seu bem estar, mental e físico.

Sobre a autora:
Cristina Candeias
Astróloga desde 1996, é uma das caras mais conhecidas da astrologia nacional.
Consultas Presenciais no Porto e Lisboa
Tlm: 96 455 33 53 - 91 696 54 53
E-mail: cristina.candeias2007@gmail.com

http://www.cristinacandeias.pt/

artigo do parceiro:

O que procura?

Comentários