O homem precisa de ver para acreditar

A tal descrença que o leva estar sempre a querer tudo logo... pois pode não ser verdade.

Mais um momento celeste fantástico para restabelecermos um contacto mais real, mais autêntico, transparente com a forma como inconscientemente estamos sempre à espera de ver para acreditar, ou mais subtil ainda como tentamos fazer para ter a certeza que somos merecedores de receber... acabando por nem sequer estarmos a ser autênticos com o que estamos a dar de Nós a cada momento, pode ser consciente ou inconsciente, nem nos apercebemos que estamos sempre a querer ter a certeza que estamos a imprimir na vida o que achamos que devemos fazer para obter.

Cria esforço, pois não é autêntico, não nasce de uma estrutura de responsabilidade na alegria e prazer de estar a criar algo , é sempre um esforço para obter, por de trás desse esforço pode estar a dita crença de ser impossível ter sem fazer esforço, criando uma dicotomia autêntica.

Simples, onde estás a tentar fazer, criar  mas com crenças de que o esforço te vai devolver de certeza.

Simplicidade na observação.

Estou em esforço, pois acredito que se perceber tudo o que tenho que fazer e me esforçar bastante vou obter, controle puro, perde o estado de presença, mas nem se apercebe, que está num registo de esforço, de sobrevivência... essa realidade é a que vai concretizar, esse é o poder pessoal, mas manifesto em esforço.

Purificação emocional pelo contacto mais real, verdadeiro, das emoções instintivas que estão a mover a forma como a mente tentar ler a realidade presente para controlar como vai dominar a situação... está a ser um grande esforço e não consegue concretizar.

Puro e simples , acredita em realidades que tudo se obtém com domínio e controle , mas produz formas de escassez, sobrevivência, em vez de realidade do presente e o que agora neste momento estou a querer controlar e fazer para obter no futuro.

É na verdade uma dicotomia mesmo, pois na vida devemos mesmo criar  metas do que queremos atingir e realizar, mas neste momento estamos a ter a grande oportunidade de tomar consciência do esforço que imprimimos, pois só vemos a meta final e não nos entregamos a cada etapa com total presença.

Tudo o que é solido e duradouro é criado com paciência, atenção, calma, e o homem quer tudo para ontem, quer construir tudo de uma vez.

O que procura?

Comentários