Estaremos a dar a devida importância ao sexo?

Podemos falar de sexo? Afinal, é ele o motor das relações e um dos pilares fundamentais que, ao longo do tempo, sustenta a ligação entre duas pessoas

O sexo é uma das bases da relação do casal. Mas estaremos nós a dar-lhe a devida importância? Não nos estaremos a esquecer dele na lista das prioridades do dia a dia? Que impacto pode ter a sua ausência na vida de um casal? Reunimos as respostas dos especialistas e revelamos-lhe tudo o que sempre quis saber sobre o tema. Está preparado? Veja também 10 curiosidades que vão melhorar a performance sexual feminina.

Os estudos comprovam. Os especialistas confirmam. E nós podemos testar! Os benefícios do sexo não se refletem apenas nos nossos níveis de bem-estar, mas também na nossa imagem (ficamos mais bonitas e autoconfiantes), na nossa saúde (ajuda a prevenir doenças), na nossa energia (os desafios tornam-se mais fáceis) e na nossa relação (sentimo-nos mais ligadas ao nosso parceiro, mesmo que na hora antecedente tenhamos acabado de discutir).

A libertação das hormonas do prazer, nomeadamente da ocitocina, conhecida como sendo a hormona do amor, a par da de serotonina, a hormona da felicidade, que ocorre durante o sexo, podem tornar os nossos dias realmente mais felizes e, a longo prazo, podem reverter-se numa saúde mais robusta, numa aparência mais jovem e numa vida mais plena.

Por que não deve descurar o sexo

As necessidades e as expetativas sexuais variam de pessoa para pessoa e de acordo com múltiplos fatores que influenciam o desejo sexual. A idade, a duração da relação e, no caso das mulheres, a fase do ciclo menstrual são alguns exemplos relevantes. Por esta razão não é de admirar que, quando perguntamos aos especialistas «Quão importante é o sexo na vida de um casal?», tenhamos uma resposta unânime.

«Depende!», afiançam. A verdade é que não podem existir regras universais nem números fixos. Cada casal é único. No que toca à frequência sexual, por exemplo, a sexóloga Marta Crawford alerta que «mais importante do que olhar para o número de relações sexuais que o casal tem, é perceber se aquelas são de qualidade ou não».

«O sexo para ser bom não tem de acontecer três ou quatro vezes por semana, tem sim de ser de qualidade», afirma a sexóloga. Nas suas consultas de terapia de casal, Marta Crawford aconselha os casais a encararem a sexualidade como «um menu de degustação». Este é, segundo a especialista, um dos truques mais eficazes para estimular o desejo, aproximar o casal e obter uma vida sexual mais satisfatória.

«O casal deve saber aproveitar o sabor de um beijo ou de uma carícia, com tempo e sem pressões», elucida a sexóloga, realçando a importância da sexualidade no fortalecimento de uma relação. «O sexo é a bateria que recarrega as energias do casal e que vai ajudá-lo a enfrentar os desafios da vida», acrescenta.

O sexólogo Fernando Mesquita também vê a sexualidade como uma peça fundamental na esfera do casal. «O sexo é muito importante para criar uma sensação de ligação que pode reforçar os sentimentos de satisfação sexual e relacional», sublinha o especialista.

Veja na página seguinte: Quando o sexo passa para segundo plano

Comentários