As cirurgias íntimas que podem mudar a sua vida sexual

O volume desproporcionado do púbis, que também se pode verificar em pessoas magras ou com um peso considerado normal, afeta o coito. Mas existe solução para este e para outros problemas genitais
créditos: Ultimate Beauty

Foi um homem chamado Leonardo Da Vinci que descreveu pela primeira vez o clitóris em termos anatómicos. Deu-se o nome cirurgia íntima a um procedimento cirúrgico que intervém na zona que começa ao nível das coxas e vai até à região púbica, zonas pouco faladas mas que fazem parte da nossa intimidade. Neste contexto, há que abordar a área estética e a área funcional.

«Há casos de pessoas que são elegantes, não são obesas, mas têm um volume desproporcionado no púbis, que lhes coloca problemas a nível estético e funcional, e pode recorrer-se à lipoaspiração», revela Biscaia Fraga, diretor do Serviço de Cirurgia Plástica e Maxilo-Facial do Hospital Egas Moniz e da Clínica Biscaia Fraga, em Lisboa.

Hoje em dia, não existem razões para ter medo, ficar presa a mitos sem fundamento ou sentir-se desconfortável durante o ato sexual. Procure a solução mais adequada para o seu problema. A sexualidade humana é para ser vivenciada e desfrutada em toda a sua plenitude, nem que para isso tenha que procurar ajuda especializada.

Problemas ao nível genital

Em termos dos genitais propriamente ditos, podemos referir a região vulvar e a vaginal. «A vulva é constituída pelos grandes lábios, pequenos lábios e clitóris. Há pessoas de todas as idades, mesmo na infância e na adolescência, que desenvolvem volumes e dimensões desmesurados, por razões genéticas, constitucionais e outras, pelo que têm pequenos e grandes lábios perfeitamente desproporcionados », refere Biscaia Fraga.

No pós-parto, existe uma justificação mecânica e funcional para as alterações nos pequenos lábios. A medicina não tem uma única explicação. «Existe a teoria que defende que é por tendência hormonal que os lábios se desenvolvem bastante.» mas há ainda quem defenda a causa traumática. «Temos casos de mulheres que percorrem diariamente muitos quilómetros de bicicleta e, por isso, interpretam que o desenvolvimento vulvar se deve aos microtraumatismos repetitivos do selim da bicicleta», salienta o especialista Biscaia Fraga.

Com frequência, a cirurgia do abdómen pode tornar a situação ainda mais exuberante e desconfortável, existindo também o fenómeno contrário. «Em vez do aumento exagerado do volume e da dimensão dos lábios, pode haver uma atrofia e é possível dar uma morfologia perfeita aos mesmos», indica Biscaia Fraga. Por vezes, a prega superior dos pequenos lábios é de tal forma exuberante que tapa completamente o clítoris e compromete a higiene local e o prazer, porque esta é uma das zonas mais erógenas da mulher.

Relativamente à vagina propriamente dita, a situação mais frequente é o grande relaxamento e enfraquecimento muscular. «No período pós gravidez existe uma flacidez da parede abdominal anterior devido ao grande volume (barriga). depois de dois, três partos, existe um grande relaxamento de toda a musculatura vaginal. A vagina é constituída por duas paredes (parede anterior e posterior) mas, ao nível do períneo, existem três camadas musculares que podem ficar completamente flácidas após o parto», foca o cirurgião plástico.

Segundo a experiência clínica de Biscaia Fraga, é frequente algumas mulheres relatarem que antes do parto tinham um relacionamento sexual perfeitamente normal com o companheiro e, depois do parto, sentirem-se diferentes. Muitas delas chegam mesmo a recusar-se a ter relações sexuais com os companheiros depois do nascimento dos filhos.

Veja na página seguinte: O que muda depois de uma cirurgia ao clítoris

Comentários