37 milhões de pessoas arriscam dormir mal esta noite

Só em Portugal, o site Ashley Madison contava com mais de 100 mil utilizadores.
créditos: Freeimages

Os hackers "Impact Team" tornaram públicos os dados pessoais de 37 milhões de utilizadores do website de relações extra-conjugais, Ashley Madison. Após o roubo dos dados, em julho passado, os autores ameaçaram publicá-los na Internet caso o site não fosse encerrado.

As práticas fraudulentas levadas a cabo pela Avid Life Media, empresa detentora do Ashley Madison, provocaram a ira dos piratas informáticos. A empresa comprometia-se a apagar os dados dos utilizadores, mas na verdade armazenava-os sem o consentimento destes.

Os dados foram divulgados na deep web – parte da Internet indetetável por motores de busca - e só conseguem ser consultados através de um browser especial. Ao todo são quase 10 gigabytes de informação que incluem nomes, endereços, contas de e-mail e detalhes das transações feitas com os cartões de crédito dos utilizadores.

Segundo a Sky News, alguns dos utilizadores que estavam inscritos no Ashey Madison são oficiais do exército ou figuras ligadas ao governo norte-americano.

A cadeia de televisão britânica adianta ainda que existem endereços de e-mail ligados aos empregos dos utilizadores, como é o caso da Casa Branca, NASA, Vaticano e Nações Unidas.

Comentários